Wednesday, June 29, 2005

Vida Moderna

E então essa voz desse homem no corredor.
Mais espessa, de tão escura, no escuro.
O infante dorme no berço do quarto ao lado, torso de sono nu.
A mulher desperta ao negro clarim da voz macha.

"Pior é o Rui Paulo", cogita ela, guardando o infante da ameaça do não-progenitor.
Descerra a porta do quarto, o homem entra.
Beija-a, halicose uísquica que saboreia a seda do sono fêmeo.

"Não acordes o menino, por favor, se ele acorda, e como já fala tão bem, depois conta tudo ao pai no sábado de ele o vir buscar", malbucia ela.

O homem, "Acorda nada, tira-me mas é os sapatos".

Ela tira-lhos, subdeita-se, a pequena alegria do corpo autónoma da almargura, a fugaz explosão: fuga, gás, implosão, porco.

Alui-se o homem, arruina-se a mulher, inclinado o homem a 8% como nos sinais de trânsito.

Como um desmoronamento, o fragor das pedras da ribanceira, ou das de gelo no copo de base martelada, vidro grosso. (Mas não é tudo vidro?)

Ele dorme boquiaberto, tem uma cárie azul.

Sete da manhã, ela vai vigiar o Rui Paulo, que nada sabe nem contará, o meu menino.

"Também, o pai vive com outra, que também já era mãe quando ele."

Quando este.


Pombal, 29 de Outubro de 2004

No comments: