terça-feira, agosto 28, 2018

Duas sentenças judiciosas



Recentemente, chegaram-me ao saber duas sentenças judiciosas.
Da primeira, desconheço o autor.
Da segunda, sei que foi proferida pelo grande contista britânico H:H: Munro (pseud. Saki, (18 December 1870 – 14 November 1916)).



1 - Se partires um braço, não te faltará quem queira assinar melhoras no gesso.
Se sofreres de depressão, todos fugirão de ti.

2- Acho os Americanos grotescos quando tentam falar francês. Felizmente, nunca tentam falar inglês.

quarta-feira, agosto 22, 2018

“Nem a luz da música tive” - Coimbra, 14 de Agosto de 2018


Eduardo V. N., 64 anos, no Largo do Pôço, Coimbra




“Nem a luz da música tive”
– diz o cego Eduardo,
a quem o pai não quis oferecer,
menino,
um acordeão-de-pedir.

terça-feira, agosto 07, 2018

Soneto pela finimanhã de Terça-feira, 31 de Julho de 2018






O harmonioso moço semblante da menina vi,
era em um autocarro que ao Calhabé nos levava.
Humana síntese de gladíolo & codorniz senti
naquel’ aparato feminil que, ’li, se m’apresentava.

Era de curtas roupas, quási porém longas pernas:
mas não dessas que se encontra pelas tabernas,
isso não, antes sim por bibliotecas de honesto estudo
onde a vergonha é nada & a honra é tudo.

Senti-me de pronto o mais juvenal senil,
que, enfim, juvenil não, tal me há muito passou.
Fiz de discreto mirone, colector de vãos sonetos.

Pode ser que um dia, à face de meus netos,
à lareira lhes conte daquela que viajou
em noviço julho, ante meu extinto abril.