Wednesday, June 29, 2005

Mais Notas para o Pintor

O silêncio é ruidoso: como não vê-lo?

A claridade - para ela mesma, só por ela.

O conhecimento das leis: escapar-lhes dentro delas.

A si mesmo alheio é o próprio amor: inclinação do espelhado-espalhado: pêlo-palha.

Os cavalos invisíveis trotam na tremura involuntária de uma pestana, um canto da boca. Resolve-se isso pondo uma pedra de sal por baixo da língua.


Pombal, 5 de Julho de 2004

No comments: