Sunday, August 09, 2009

Soneto ao Destinatário

Souto, Pombal, tarde de 9 de Agosto de 2009



As pessoas tornam mundial a rua, as chávenas, tudo
o que tocam com as suas vidas ordinárias todas acesas.
As pessoas trazem os fantasmas a passear, sorriem-nos
com eles ao ombro, tocam-nos com comovida simpatia.

As décadas retocam os postais nos quiosques, retocam.
Invisíveis campanhas incutem comércio aos pensamentos.
As cores vêm e vão e voltam nas roupas, nos outonos.
As crianças desmesuram-se, podem votar e sentir tristeza adulta.

Sempre gémeos da terra, os animais pensam a sós,
tratam por iguais os fios de ouro do rio, as safiras
que caem das frases humanas ao chão da rua.

Animais e pessoas rumam em união ao desagravo.
Cidade e rio espelham-se, palombina, palombino.
E de ordinário a todos traz e leva o destino.


No comments: