Tuesday, August 04, 2009

Como sinto e penso sempre isto em Agosto, aqui vai outra vez disto mesmo

Agostonia


Lamento, mas nunca gostei de Agosto. Prefiro-lhe Junho e Setembro, gémeos iniciais e terminais, cada um à sua maneira, de outra ilustração.

Agosto é gordo e grosseiro. É um penico de ânsias. É o mais cansativo dos falsos repousos. E é trauliteiro, pauliteiro e paliteiro. Digo eu, que nada sei mas tudo sinto.

Em Agosto, nada se aprende. Pés feios afloram de sebosas sandálias de couro plástico. Mulheraças encarnadas como lagostins-do-rio e desconjuntadas como carroças passam o mês a ralhar com as crias concebidas em outros agostos iguaizinhos a este. Derrubados em esplanadas de baquelite, homenzarrões pequeninos, entalados em camisoletas de cavas, expõem os tufos pilosos dos sovacos, de que emana um vinagrete em decomposição absolutamente mortífero para a pituitária individual e idem para a esperança colectiva neste País.

Depois, há ainda o problema dos ranchos. Pelos parques merendeiros, a gaitada acordeónica mescla-se à gordura da sardinhagem que estraleja de pimentões em fumo carbónico. Reco-recos e carcaças de suíno são indissociáveis, a par da fervura vínica e das sestas ressonadas a compasso binário à sombra de pinheiros que só não arderam ainda por momentânea indisposição do maluco local. Para piorar a conjuntura, os ministros da República surgem sem gravata na televisão, seus pescoços e rostos bronzeados ao limite pela vocação afro-atlântica das viagens pagas por nós.

Isso – e as férias dos actores e dos pivôs de telejornais, tão parecidos connosco, afinal, excepto no terem férias de revista de luxo rentes a piscinas globalizadas pelo nojo ao mar.

Já o Brasil, país que vive um Agosto perpétuo de carnavais, futebol-de-praia e meninos-de-rua, continua todo amontoado cá na militante e peregrina esperança de que Fevereiro chegue a todo o gás, tal que o mulherio se dispa de preconceitos e os preconceitos se dispam de gays.

Não, não posso gostar de Agosto. É em agonia que redijo esta crónica: por ser dia 1, chamo-lhe “agostonia”. Concedo que tais (des)considerações sejam menos imputáveis ao corrente mês (afinal abstracto e inocente degrau da calendária escadaria) do que à minha propensão vitalícia para uma espécie de melancolia que só se permite suavizar quando chove. Quando chove ou quando neva.

E é a maldade que, cada Agosto, me faz desejar que neve. Mas que neve assim muito, tanto, que, ao menos pelo frio, nos possamos disfarçar de evoluídos e civilizados como a Noruega.

No País dos acordeões e das cascas de melão, perdi já toda a esperança. Mas na neve em Agosto, ainda não.

5 comments:

Sophis said...

Ahhh, lembro-me bem deste texto. bjs

Manuel da Mata said...

Pois, nada sabes mas tudo sentes.
O Inefável Caeiro não diria melhor-

Ontem aí num blogue (apirina B), todo chucha, fiz referência ao teu texto do último O Ribatejo e "Bloco de Esguelha" pegou de estaca.
Passa por lá e vê. Se não concordares com o procedimento, peço desculpas.

Abraço.

daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Meu querido Amigo Manel, o que é meu é teu.

Professor said...

Absolutamente de acordo consigo: Agosto é um tormento. Por tudo o que apontou e mais pelo "franceguês" corrente pelas esplanadas dos cafés deste nosso País tão lindo mas tão mal frequentado.
Um abraço

daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Um abraço, meu caro Amigo.