Tuesday, March 24, 2009

Carta com Eucalipto Perto

Souto, Casa, noite de 24 de Março de 2009





A língua escreve na linha da boca.
A árvore exclama aves de vigia.
Um corpo alvo escurece o dia,
que a manhã se prometia rouca

e de si mesma sequestrada, vã
sua mesma glória falante: suas aves,
suas famílias no lunar afã
de dormidas horas não suaves.

Nisto, o carteiro traz distante
cotim que tão silêncio faz.
É uma carta que traz
do horizonte.

Tudo se une: barbeada de prata a lua,
um sol radial dando um passarito
e uma vaga de frio queimando o eucalipto
que sentinela a casa que é tua,

além de minha. Caiu entanto a noite,
deve ter escrito a língua já sua linha.
Uma carta veio. E foi-te
dizendo coisas da vidinha.

No comments: