Monday, February 08, 2010

CATENÁRIAS – PERIGO DE VIDA

Souto, Casa, noite de 8 de Fevereiro de 2010



CATENÁRIAS:
primeira palavra perigosa que conheci.
Desde esse fundo então, tenho colectado tantas outras quantas as maravilhas a cada uma atinente. (De que, pois, é cada uma tenente.)

Fulgor. Carme. Verruma. Nardo. Escarlatina.
Sevícia. Filiforme. Anexo & Anexim. Bulimia.
Borato. Anão & Anião. Doente & Duende.
Tosse. Anacoreta. Jugular. Catenária(s).

Confesso-vos sem rebuço nem pudor donzel a minha felicidade canina com estes ossos vocabulares. Sou feliz por palavreado. Palavra-de-honra-que-sou.

Elas dão tudo e para quase tudo. O quase que não dão – é uma chatice, mas não suficiente para torná-las precárias. As pessoas serão precárias – as palavras, não.

A formatação íntima da cabeça é toda língua. Não só a boca é plena de língua, a cabeça também. Penso isto, logo digo-o. Digo-mo-vo-lo, logo penso.

As epifanias glossianas são a música que posso. Mais até: que não posso sem. Algumas, já? Ei-vo-me-las:

Rua de Santa Tereza, um Outono, folhas de árvores-livros revoando o chão que sobe.

Mulher debruçada sobre galinha que vai matar: o alguidar azul-parado, a rápida faca rápido vermelha.

O favo de mel de uma sílaba em garganta amada.

Caligrafia aérea: aves rumo ao sul em céu de papel.

Bar de madeira, projectores vermelhos na linha de garrafas, guinadas de ar frio a cada entrada, Bobby Darin baixinho na rádio, poster da Loren ao lado do caixilho do Benfica 1958-59, o senhor Baptista jogando as damas com o senhor Eurico, os copinhos de ginja irmãos.

Mulheres marroquinas penumbrando o vento da tarde, sobre fundo de dunas sem mar.

Homem triste rindo-se no cinema quase vazio: Chaplin, Hopper, os filhos crescem e esquecem-me.

Escrevo, olho para o lado, assobio baixinho como se fosse o malogrado Darin, a vela treme como uma pessoa friorenta, tudo tão bonito, tão perigoso, tão vivo, tão Chaplin e tão Hopper.

No comments: