Friday, June 04, 2010

À Janela

Coimbra, entardenoitecer de 4 de Junho de 2010



À janela vendo o que não chove,
a minha vida quer ainda ser mais
do que o meu corpo,
coitada.


Se chove, sendo o que chove,
a minha janela não quer nem deseja,
olha e não é corpo,
em beleza.

No comments: