Thursday, February 26, 2009

Notas para um Conselho de Ministros


© Sandra Bernardo
Cabanas de Viriato, 5 de Novembro de 2008


Souto, Casa, manhã de 26 de Fevereiro de 2009

I

O fio da boca existe mas não é / é mas não existe.
A voz da flor é a cor.
O fio da voz é a flor.

A pessoa encontra-se na pessoa como o mar na praia.
A praia da pessoa é mais e é menos que a areia da pessoa.

O sarar da ferida também é ferida / também é mais e é menos.

Ser compreende não-ser e nem-ser e nem-sempre-ser-nunca.
As coisas do mundo são também a pessoa e também
mais e menos que ela.

Nela e fora-dela.

A boca / a flor / a pessoa: mar e areia: praia e além-de-praia.

E aquém.



II

O caminho é horizontal no vivo / é vertical no morto.
A posição do infante no berço é guardada pelas árvores do caminho.
Assim noutra linha a do defunto na caixa.

Um ainda não é.
Outro não é já.
Ambos são mas não existem / ambos existem mas não são.

Um lábio da boca é vivo.
Outro não.
O fio da boca é o fio da navalha.

A boca não é sozinha.

O caminho resulta da boca / a boca existe a caminho.



III

Luz do sol numa janela.
A outra janela em sombra.

Tudo é manhã / não é / mas é.

A manhã que foi na noite que vai ser.

Nisto, a areia.



IV

Nisto, a árvore sara.

No comments: