Thursday, September 13, 2012

Rosário Breve n.º 274 - como sempre, nO RIBATEJO - www.oribatejo.pt

Blind Woman - New York - Photograph by Paul Strand (1916)




Alegoria perfeita

Queira o meu gentil e leal leitor não desconfiar de eventual publicidade enganosa no título da crónica que hoje lhe chega a mãos e olhos. É perfeita a alegoria com que o CM de terça-feira, 11 do corrente, decerto involuntariamente embora, me presenteou.
“Cego dá tiro nele próprio ao limpar uma caçadeira” – este o título de uma notícia de quatro parágrafos que muita gente há-de ter lido também. Lendo-a eu, não pude obstar a que me tomasse a mania de tresler de viés a realidade. Naquele pobre homem de 70 anos, que se chama Cristóvão Valente e reside na Rua do Casal (Avintes, Gaia), eu vi, ou li, Portugal. E na acidental caçadeira, democracia. Pois. Pancada minha. Portugal, porque cego. Democracia, porque contra o próprio povo virada.
Ao sair de casa para ir à Rita cronicar, não era este o mote. Era a lembrança de eu ter sido alguém mais feliz do que menos no Inverno de 1988/89. Trabalhava então no turno nocturno de uma escola. Apanhava o comboio crepuscular para lá, regressava na mesma carruagem por volta da meia-noite. Jantava no Barroca, que me saudava por senhor António, ao que eu redarguia boanoitando-o por senhor Professor. Era o nosso inocente sketch de cada dia.
Eu comprava livros ainda. Conheci então a poesia de António Osório e a de João Camilo. Li Vargas Llosa e Ezra Pound. Morava na Figueira da Foz, Rua Vasco da Gama. No piso de baixo, a senhoria era uma mulher sozinha como o sonhar cujo deserto resid’existencial lhe atraía uma aura fantasmática de gatos e gaivotas. Da minha marquise, via-a regando as begónias da sua discreta solidão.
O ar marinho tomava conta de mim todo nos viáticos ociosos a que procedia pelas ruas mais antigas do burgo, a que as casas envelhecidas de amarelo-âmbar conferiam uma respeitabilidade perpétua e melancólica.
Acasalava-me eu então com uma rapariga recente, decente e docente, ela também. De muito branca natureza, eram para ela sinónimos inextricáveis as higienes corporal e moral. Tinha lido A Máquina do Amor da Jacqueline Susann aos doze anos, o que diz muito da sua precocidade, a qual se reflecte hoje, muito inflacionada, na filha que muitos anos depois veio a ter sem meu concurso biológico e sem minha responsabilidade civil. Os nossos dois salários de jovens professores eram mais do que suficientes para arejar a casa, o pátio, o picadeiro dos dias e a pertinência humanista das noites, que então eram mais antecâmaras de (a)manhãs do que dispensário de tantos ontens que já não cantam.
Mas então e o cego? Mas então e a alegoria? Quase dela me esquecia, com isto da involuntária nostalgia (ia, ia, ia) de professor com escola e futuro. Se calhar, pode que não seja assim tão perfeita. Recapitulemos: o infeliz cego que por acidente se alvejou a si mesmo vale por Portugal, que não tem feito outra coisa do que não ver e se ferir na cabeça, tronco e membros. A caçadeira vale pela alegada democracia do regime de fome em vigor há 35 anos, descontados os três primeiros pós-Revolução. Mas.
Mas é que a alegoria (qualquer alegoria e qualquer outra coisa na vida) só se alça à perfeição quando é isenta de paradoxo. A tal caçadeira, supostamente democrática, não aponta apenas ao cego de Avintes. Aponta-nos a todos. E acerta-nos em cheio.
E quem a dispara (lá vem o paradoxo) – é um homem chamado Coelho.

No comments: