Friday, September 21, 2012

Esta manhã, pelo fim oficial do Verão


© DA – Branco até Azul – 17 de Maio de 2012





Leiria, manhã de sexta-feira, 21 de Setembro de 2012

Acaba pelo calendário oficial o Verão, mas o tempo, ou a ocasião, não é ainda de recolher à beira-lume do lar a soprar a taça de chá, a de-vagar o Virgílio, a tostar a fatia de pão ao rubi do brasido. Ainda não é ferro ir ao rio demolhar as pontas caminhantes em nudez recatada, recebendo as correrias brisas refrigérias través as faias. Quando ele todavia havia ’inda, o Outono, assomando, assumia o Tempo todo, que, arrestando-se, se não sumia, antes parecia guardar o anjo da infância interditando-lhe a secagem e a distância.
’gora, não é já assim, (a)gorada a idade. Ao um-e-vinte do Setembro, a estiagem devém de si mesmo bastarda, até que toda se consuma e arda em perveniente geada. Já no roupeiro chia do casaco o couro a querer-se portado às portadas de ouro do caduco folhedo.
À hora prima, resiste a noite a falecer-se em alva – e pela casa aquietada o Desadormecido mano o primevo éter da vigília, cuidando em vão não tropeçar na mobília.
Mas um pouco de Virgílio, outro de Poe, uma pitada de Daudet e outra tanta de Prévert – e seja o que o DiaboDeus quiser.

No comments: