Thursday, May 12, 2011

Rosário de Isabel e Dinis - 31


31. CALAMENTO

Coimbra, quarta-feira, 11 de Maio de 2011

Eu calei-me, eu disse nada.
Está onde a fonte da minha vida?
Nem tudo culpa a bebida,
que eu calei-me, eu disse nada.

3 comments:

trindade ribeiro said...

Sou apreciadora da escrita, mas consigo ser ainda maior apreciadora da arte e quando já se viu o trabalho que o Daniel Abrunheiro fez em tempos ao nível da pintura, acho que de facto nada se lhe compara. Tive o privilégio e o prazer de ver uma exposição sua em Leiria há cerca de 26 anos e até hoje ainda não vi nada que a igualasse ou superasse.É com grande pena que deixei de ver trabalhos seus.

trindade ribeiro said...
This comment has been removed by a blog administrator.
daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Compreendo o equívoco: o pintor de que fala chama-se José Daniel Abrunheiro. Sou o irmão mais novo. Não pinto a não ser com palavras. Mas agradeço a visita, mesmo que a partir de um engano natural.