Thursday, May 10, 2012

Ligação à Medusa - 38 (integral)



38. VENDO FILMES EM COISAS PARADAS

Leiria e Pombal, quarta-feira, 26 de Outubro de 2011

Outo(r)no à infância agora que Outubro deixa de ser um estio falso para se portar como deve: uma folha de cartão prensado em cinza e ligeira pluviosidade fria. Volto à escola, tenho seis ou sete anos, reaprendo a ler & a escrever & a contar a vida incontável, a inumerável vida do meu Outon’outubro.
A manhã aí está – e não é menos gloriosa do que as outras, as perdidas como as que venho fechando em cadernos paginados.
Estamos todos em trânsito, Ana: traficamo-nos, Filomena: sufragamo-nos, Paula: prendemo-nos, Cristina.
Somos todos a cortazariana cebola: descascada ao infinito, Júlio: perfumada de lágrimas, Jorge: migada de dedos, Ani: cardiológica, Fernando Jorge.

*

Amanhã, faria (não fará) anos a vida da minha Mãe. 27 de Outubro. Sigo a reedificação da Princesa, a princesinha Corre-Montes de 1924. Mas é 2011, isto.

*

– Contudo se desde a infância se operasse logo uma alma com tal natureza, cortando essa espécie de pesos de chumbo, (…) também ela a veria nesses mesmos homens, com a maior clareza, tal como agora vê aquilo para que está voltada.
(Isto é Platão, in República.)

*

Vejo filmes nas coisas paradas.
As crianças como índios primevos da humanidade.
Os sacos de rebuçados ardendo a cor da Língua.
A medusa como placenta nadadora.
A transparência de um olhar alheio.
A circum-navegação nefelibata dos sonhos.
A natureza narcótica do amor.  

O Poço do Engenheiro, a Mata do Tenente.
A loucura sistémica do orga(ni)smo.
O amor que a minha mulher me respira.
A periferia do rosto feita de cal-viva.
A carreta funerária banhada de lágrimas.
O bocejo existencial da mulher do bazar.
O cão à chuva no pátio rural.

(Acordei hoje com a Mãe viva à cabeceira.
O copo da água nocturna não amanhecia.
Do estore, a fímbria cinzelava as sete horas.
A gata era toda-egipto na meda de roupa.
Os pés viviam-me sozinhos na friúra dos lençóis.
Uma pessoa mais se menos se ama.
Ela era viva e compreendia-me da cabeceira.)

Vou ali a Pombal, conheço a nihilificação do mundo.
Isto é tudo uma espécie de sacerdócio.
Pequenos peixes fritos douram um prato de faianças.
No Ilídio da Cardigo, consulto os rostos palavrosos.
Está a chover, telefono quando não estiver.
Romarias e Marias passadas ressumam estrofes.
A polpa do passado apodrece em fruta.

Assenta-me bem, esta tristeza têxtil.
O nevão das amendoeiras, R., como sabes.
A força da vida desflorando barreiras.
Uma casa-de-putas com laranjeira à porta.
A ave-do-paraíso sem dinheiro para pôr ovos.
Os Himalaias andinos: sem fantasmas no gelo.
E o gelo geológico: riscos do magma sideral.

Razoabilidade das leituras feitas: janela da escola.
Mãos de criança-cartolina, feitas estrelas de cor.
A mansidão saciada do útero materno.
Quando a mulher descobre que é início.
As contitas por pagar no aparador da cozinha.
O cancro que mina o meu amigo A.
Um toque de açúcar na glande.

Quando não estiver já triste, serei indiferente.
(Sim, visitei-a no lar terminal dela.)
A quem, senão a este caderno, poderia contar?
E ler? E escrever?
Uma revoada de gardénias toda-marfim no ar.
Coices de ouro na podridão dos dentes.
Estou na escola, é Outubro, a-e-i-o-u.

Pelos intervalos da chuva, a magreza d’inda-ser.
Um gordo-muito-gay-muito-gordo refocila liceais.
O senhor padre de Nêsperas lê policiais em segredo.
Vi um rio, vi todos.
Tenho andado além dist’aqui.
Estive na Rocha do Conde d’Óbidos: era Outubro.
Em Madrid, as ruas cheiravam a teatro e a tapas.

Perdoo terem-me feito: uma paz nos desce(nde)rá.
Na-boca-carmim-um-cigarro-preto.
Os senhores Fernando, Damião, Luís & Pedro
d’A Brasileira de Coimbra, quando tudo ainda não matara ninguém.
Toda a gente (se) quer por alguma coisa.
Estranho-pão-de-forma-de-vida.
O bilhete Leiria-Pombal é carreira de três euros e picos.

*

Ele de boné cinzento, ela de blusa preta por morte da mãe: casal português do Portugal apresentado na carreira das 12h15m para Pombal desde Leiria. (Rosna-me o estômago por sopa, pão e peixe frito.) Sair disto mercê da leitura de Levi Malho ou afim: a caminho de uma noite mais, uma noit’ainda.
As faces das casas com legendas: Rainha Santa Isabel, Tintas e Vernizes, Felizardo & Com. (Acessórios Hidráulicos e Pneumáticos), Santo Padre Cruz, Climatização, Sistemas Solares e Equipamentos Pneumáticos.
(“Sistemas Solares”: está giro.)

*

(No Leiria Retail Park:

LIQUIDAÇÃO TOTAL

e

VIVA FELIZ.

Boa, boa.)

No comments: