Thursday, May 24, 2012

Rosário Breve n.º 260 - in O RIBATEJO de 24 de Maio de 2012 - www.oribatejo.pt


© DA, 5 de Maio de 2012



A minha vida sexual quase todinha

Esta crónica é uma antecipação. É uma finta, também. Escrevendo-a, antecipo-me ao telefonema que o sr. Relvas deve andar há que tempos para fazer a meu respeito e não só ao d(uart)irector deste jornal. Publicando-a, pois, finto essa inenarrável senhoria da nossa triste praça política. Antes que ele me ameace com a truculenta exposição público-ribatejana das minhas intimidades mais pudendas, exponho-as eu (a nu, claro) e fico-me a rir.
Não falo das intimidades físicas: essas são muito cá comigo e (só) com a minha senhora. Falo, sim, de coitos que tenho sofrido no cabedal da alma e na cavidade do bolso. Esperneio, é certo, mas de pouco me vale.
Uma das, por assim dizer, cópulas involuntárias que me sobressaltam o sossego é essa entidade fantasmática com nome de cadela parida: a Troika. Sei quem ela é, sei de onde vem, sei para onde quer ir. Mas nós nem somos como ela, nem vimos da casota dela, nem queremos ir para onde a gaja quer que a gente vá.
Outra pornografia que, incessante, incansável, me atormenta – é o que os Portugueses permitem que façam à Língua Portuguesa. Ando, por exemplo, fartinho de ouvir e ler “pessoas evacuadas” em vez de “o local foi evacuado de pessoas”. Porque “evacuar” é “esvaziar”. E, que eu saiba, os bombeiros não são estripadores. Outra obscenidade: “Chamou-o de ladrão”. Ó minha gente: chamar não rege a preposição “de”. Isso é lá nos brasis. Aqui? Aqui é: “Chamou-lhe ladrão.” Sim, lhe. A quem? A ele. Escolham vocês o político. Complemento indirecto. À portuguesa. É assim tão difícil não falar telenovelês?
Também sofro alguma coisa com mails anónimos produzidos por trogloditas que têm para com a liberdade de expressão, opinião e pensamento o mesmo carinho que Mafoma tem pelo presunto. Vale-me que tais achincalhadores desconhecem quem raio seja o tal “de” Mafoma (vêem como é horrível aquele “de” ali?).
O espaço é pouco, pelo que, infelizmente, não me posso alongar com as demais coisas que me lixam com éfe. Mas sempre quero garantir a Miguel Relvas que, ao menos enquanto a espúria “princesa de Angola” não comprar este jornal, hei-de ir esperneando, que é como quem diz dar coices, jogo de pernas que, pouco erótico embora, ainda assim me permite ao menos dar uma por semana. 

No comments: