Saturday, May 19, 2012

Ligação à Medusa - 44 (integral)


© Krunoslav Lisac
Art of the Moment



44. FALA O PRÍNCIPE DO AQUOSO PRUMO

Leiria, sexta-feira, 11 de Novembro de 2011

Falo com uma mordaça de açucenas na boca mental.
(Acontece-vos o mesmo, sou disso certo.)

A chuva voltou, volto a ser o príncipe da chuva.
Ressonância barítona da tempestade sobre a
ópera do mundo: a recebo, amplifico-a

indeterminável, incontável – a nossa vida.
Ao de antes, incerto pretérito ainda.
Adiante, imperfeito futuro já.

Falo de olhos não frios a norte da boca,
ambarinos olhos egressos da noite,
cerosos, avelhentados: de fatigado cão
sombreado.

Mulheres altas e articuladas como andaimes
constroem civilmente nos arredores pluviais.
Vejo-as que passam urdindo o dia de
cada pão.

Falo a partir da cultura patogénica
em peçonha de pensar o aquoso prumo.

O mesmo é dizer que burel me penso de estamenha.
Situação de-re-corrente: chove, escreve-se um
punhado de versos: é como matar moscas
à facada: mas é uma vida, também.

No comments: