Thursday, December 10, 2015

Rosário Breve n.º 435 - in O RIBATEJO de 10 de Dezembro de 2015

Fala o da voz que não chega ao céu



Uma senhora da minha terra colecciona presépios. Consta que já juntou coisa de um quarto-de-milhar deles. Serão, pois, cerca de 250 vaquinhas. É muito corninho de barro. O mais curioso, no entanto, não é tanta vaquinha junta – isso em qualquer casa-de-alterne se caça por trinta aéreos ou nos pinhais por quinze. O mais curioso é ser só um burrinho. Um só. 250 Meninos-Jesus. 250 Sãos-Josés. 250 Nossas-Senhoras. 750 Reis-Magos. Mas só um orelhas-de-feltro.
Como em tempos andei disfarçado de repórter, deu-me para breve retorno a essa prática inquiridora que é o fel-de-boca dos autarcas mais fraquitos & o desassossego dos menos. Fui-me (por assim dizer) à senhora e zingas!, inquiri-a. Para amnésia futura, aqui fica a acta oratória da dita entrevis(i)ta(ção):

– Olá, ti’ Maria!
– Olá, ti’ Coiso!
– Atão só um burrinho a modos que proquê?
– Proq’ foi o único suficientemente pa’ mim.
– Suficientemente pa’ si o quê?
– Suficientemente burro, menino.
– Menino?
– Jesus…
– Ah.
– Os maiores m’stérios às vezes num custam nada.
– Tou a ber.
– Num sei se tá.
– Faz-m’um bocado ’spé’ce ser só um.
– É quanto me chega. Quanto mais burro, mais zurro.
– Atão e com’é q’a senhora faz quand’a chamam pa’xposições & assim?
– Bou.
– Num é isso. Não a chagam por ser só um burro?
– Não, nadinha. Dão-me mazé munta binho-do-Porto & trouxas-d’obos como à Josefa d’Óbidos dita pelo Mário Viegas.
– E as vaquinhas?
– Tamãe bêm muntas.
– Num é essas, é as de barro.
– Essas num tugem nem mugem.
– Proqu’é q’ não?
– Por respeito ao senhor.
– A mim?
– Não: ao senhor burrinho.
– Tou a ber.
– Num sei se tá. Ao Senhor, burrinho.
– Acha a s’nhora que s’eu puser isto no jornal as pessoas ficam a pontos que’sclarecidas?
– Num m’aq’enta nem m’arrefenta.
– Mazé q’eu preciso d’escrabêr coisa assim tipo sentimentos-de-natal, ó ti’ Maria…
– Acontece munto, ó ti’ Coiso.
– O q’é q’acontece munto?
– O Natal. E os burrinhos q’ind’acreditam nele.
– Diga-m’agora cá, faxabôr: o q’é q’a s’nhora a modos que colecciona nos outros onze meses do ano?
– Barizes.
– Tou a ber.
– Não tá mazeu amostro-l’e.
– Sou casado, ó ti’ Maria.
– Burrinho…

E pronto, era isto. Para a semana, conto entrevistar outra Maria – a de Belém-népias. Esta já tá.
– Num sei se tá.


No comments: