Wednesday, June 13, 2007

De teus Pés ao Pai

Gérard Castello-Lopes
homenageia
Henri Cartier-Bresson


Dos pés do teu Pai nasce a tua sombra solar.
Vê-lo vivo, sozinho, em ambas as mortes:
a dele, a tua nele.
Adoras o velho, o peso triste dele, ele
cavalo de papelão, embalador de ananases,
perfume macho em tua pilita hereditária.
Amas o teu Pai.
Amas a morte ebúrnea do teu Pai.
Sente-lo nas vielas sentimentais de teus pés,
sem ele já, as mesmas as vielas.
As mãos dele feitas de papel e cifras.
O corpo dele feito de grés.
A educação dele, tão cortesã sem corte,
alfaiate de lágrimas, serralheiro imemorial.
Gostas dele
Sente-lo nos teus cafés neónicos.
Vive-lo, deitado, em pé.
Conta-me tu a mim como ele foi.
Sei como ele se foi.
Não sei como ele foi.
Ainda é?
Diz-me: amas o teu Pai?
Faz um filho, pá, torna-te alfaiate,
repete, aprende, ensina.
A vida é uma menina.

Caramulo, tarde de 12 de Junho de 2007

4 comments:

laços said...

Gostei...beijos.

Gabriel Oliveira said...

Tão bonito, stôr!
Lembrei-me no outro dia de uma quadra feita por um puto de 11 anos, no meio de outras quadras infantis:
"Alunos perturbadores
e muito pouco estudiosos
são anjos assustadores
parecem cães sem ossos!"
Eheheheh, lembras-te? Aposto que não, mas enfim... achei graça ter-me lembrado. Como a repetiste na aula, ela ganhou especial importância para mim, e persistiu na memória, 19 anos depois (xii, já nos conhecemos há uma porrada de tempo)!

Bem, mas vem isto a propósito do seguinte: a poesia é um exemplo. Um bom exemplo (e é suposto os professores darem bons exemplos). Por isso marcaste tanto os teus alunos, Daniel! Mais uma vez, obrigado!

S. said...

Dasse, ó Cão, isto é do melhor!

PS: acaba lá comessa merda da moderação dos comentários. Ah e parabéns: o moço suspendeu a peça, o que só prova o quanto tinhas razão.

pc said...

É assim quando se perde o Pai, que ainda O é e sempre será. Como me revejo neste seu poema. Exceptuando, claro, o "perfume macho em tua pilita hereditária" pois, tal como a vida, também eu sou menina. Será isso menos bom?