Thursday, December 04, 2008

EIRA E ROUBALHEIRA - crónica nº 80 n'O Ribatejo (www.oribatejo.pt)

Eira e roubalheira

Portugal é uma aldeia quase nada cristã mas muito católica onde o roubo é pecado e a roubalheira é uma virtude.
Disse “aldeia”? Queria dizer “quintal”. Não, “eira” é que é. Eira, roubalheira. E chuva no nabal. Nabal, Portugal.
Hoje estou chateado. Dói-me um dente, dói-me o siso, dói-me tudo. Estive ali na sala a ver o telejornal – e pronto, chateei-me. Com esta idade, ainda me não habituei às roubalheiras. Agora querem-me o IRS para sanear as canalhices dos banqueiros, as golpadas dos gestores de fortunas, as manobras orquestrais no escuro dessa escumalha tenebrosa e sinistra que nos infecta o dente, o siso e o nabal.
Ainda por cima, está um frio rijo, dói nos ossos o hálito de uma neve que nem neve é, mas geada de pobres. A parvónia tirita toda, os cães encolhem-se na rua como acordeões sem fole, as mulherezinhas da erva palestinam pelos caminhos muito curvadas, muito pré-históricas, muito fora do Google e do Paraíso e da Covilhã e dos conselhos de administração onde são tramoiadas as roubalheiras.
Eu queria ver o Jeremy Irons, mas só me saem júdices e balsemões. Eu queria saber astronomia, mas só me saem zodíacos e sousas-tavares e TVIquadores. Eu queria que me não doesse o siso, mas nem com copinhos de aguardente amorteço a gengiva.
Se vos pareço impertinente e quezilento, ainda bem: é quezília que supuro, é impertinência que me apetece.
Para piorar o cenário, só me faltava o Natal, a porcaria do Natal. Entristece-me a tristeza dos comerciantes dividindo o ar das lojas com as moscas. Entristecem-me as avòzinhas da erva, os nabos compatriotas e o catolicismo hipócrita cá do quintal. Perdão, cá da eira. Eira, roubalheira.
Bancos privados, “virtudes” públicas.
Resta-me pedir ao Arlindo da farmácia que me empreste um anti-inflamatório e um alicate. E um passaporte de coelho que me leve a dar, de vez, o salto para fora desta eira de ali-babás de colarinho branco-sujo.

3 comments:

Vieira Calado said...

Perdeu-se todo o pudor.
Não sei se católico se simplesmente cristão...

Um abraço

daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Abraço aí para Lagos, terra linda.

Manuel da Mata said...

'stava para te encomendar um hino nacional novo para ser cantado nos tempos que passam.
Vai à farmácia e compra "Milagron".A dor vai passar.