Thursday, June 28, 2012

Rosário Breve n.º 265 - in O RIBATEJO de 28 de Junho de 2012 - www.oribatejo.pt



Código do Trabalho? Qual trabalho?

É a canalhice mais recente da alegre rapaziada que nos (des)governa. A partir de Agosto, o trabalhador vê-se, de vez, relegado à condição de espécime cinegético. Isto é: o empresariado monta a caça ao pato – e o trabalhador faz de pato. A dezena de principais mudanças são todas para pior. Não há uma cereja sequer entre as lentilhas do prato.
As horas extras valem menos metade.
Quatro feriados vão à vida, isto é, à morte.
Menos férias.
Dias de “ponte” obliterados em encerramento compulsivo.
Indemnizações por despedimento abatidas (e de que maneira).
Critérios para despedimento tipo moeda-ao-ar mas só com a cara do patrão dos dois lados da rodela de níquel.
Uma coisa esquisita chamada “bancos de horas” – como se os outros bancos não fossem já o mais imoral valhacouto dos inimputáveis de colarinho-branco. Outra coisa maligna chamada “lay-off”, que é para o pessoal pensar que é o novo ponta-de-lança do Sporting ou assim.
Desobrigação das empresas quanto à obrigação de envio de informações como o mapa do horário de trabalho antes do início de actividade.
Etc.
Sei muito bem qual o motivo de raiz de tudo isto: o motivo de raiz de tudo isto é a pessoa. É o trabalhador. É o português.
Se não fossem as pessoas, a Economia seria uma Arte. Uma coisa de papéis lindos e de números ainda mais lindos em powerpoint. Roçaria a perfeição edénica: de reverberante mar à porta e coruscante sol por cima, um jardim auto-sustentado e nascido só para meia-dúzia de Adões de BMW e duas dúzias de Evas amigas do Strauss-Kahn, do Berlusconi e, vá lá, do Pintarolas da costa lá de cima.
Para os iluminados patriotas do pastel-de-nata e do fraseado ronceiro, vulgo os “coisos” da Economia e das Finanças, as pessoas (sobretudo as que persistem na incómoda mania de viver do fruto do trabalho) são o pior que lhes poderia ter acontecido. Sem Portugueses, Portugal não ficaria atrás de ninguém no rol das nações mais giras & bonitas & modernaças. Já nem estou a falar no operariado que vem de fora por puro masoquismo. Estou a falar dos Portugueses, esses curiosos gentios que não há maneira de se auto-exterminarem de vez, em lugar de andarem a dar cabo de Portugal.
Sem operários, sem agricultores, sem professores, sem médicos, sem electricistas, sem jornalistas, sem juízes, sem parteiras, sem a Rosa do Café – Cavaco seria presidente do Algarve para sempre, Sócrates seria em Paris não menos que um Althusser, que digo eu?, que um Sartre, Coelho faria de Massamá um Caramulo sem tuberculose e sem ponta-e-mola, Portas caçaria sobreiros a tiro teleguiado de submarino – e o Eusébio nunca mais adoeceria e a Amália nunca teria sido deixada morrer.
O meu saudoso Pai repetia muito que “nada é mais prejudicial a quem trabalha do que a presença de quem nada faz”. O senhor meu Pai não tinha, afinal, razão: bem mais nociva a quem trabalha, é a presença de quem, odiando a pessoa porque sim, o português porque também e sobretudo o trabalhador porque já-agora, tudo desfaz.
Até que alguém se chateie e o(s) desfaça.
E não hei-de ser eu, que há mais de um ano procuro trabalho e viste-lo.



No comments: