Thursday, June 21, 2012

Rosário Breve n.º 264 - in O RIBATEJO de 21 de Junho de 2012 - www.oribatejo.pt



País(agem) bucarestiana

Sei muito bem que não é com crónicas (e muito menos com as minhas) que se resgata o País do coma induzido em que se (des)encontra. Sei pois. Só que também sei que os golos do CR7 e as novidades picantes do desquite Djaló/Floribella não hão-de ser, como nunca foram, capazes de fomentar o emprego a quem, por cândido civismo, ainda acha que é a trabalhar, e não a roubar, que se ganha a vida.
De igual modo, não me é difícil concertar em axioma que socorrer a banca não visa dignificar o maralhal, bem antes pelo contrário. Encerrar tribunais, centros de saúde e escolas às cegas no Interior é directa ordem para matar a interioridade mesma, reiterando a mania esquizofrénica de que a Pátria se resume aos palermas de Lisboa, à estrada 125 do Algarve e a essa pérola deitada aos porcos chamada Madeira. Ah pois é.
Todos os dias me levanto cedinho como a galinha. Ao espelho do lavatório, raspando a barba chilra e rala que o vento genético me semeou pela chanfradura sigmóide, verifico que aquele gajo canhoto é impotente para despedir de uma assentada a escumalha corruptora e corrompida que lhe proibiu o futuro das filhas, condenando-as, na melhor hipótese, a caixas subassalariadas do Pingo Da-se. Por não ter tusto para after-shaves, chapinho lixívia nos queixais e saio a rever o mundo não admirável e restrito da portugalidade local. É paisagem tristonha, dormente e deprimente.
Romenos manhosos rondam carros estacionados. Algaravia-se brasilês de avenida em estaminés de higiene nenhuma e lenocínio todo. A banca de fruta da Glória da Anunciação exibe cerejas cariadas e melões espanhóis de Almeirim. O barbeiro Teodoro, que é salazarista dos cornos e pedófilo das pernas, tesoura maledicências contra os “comunistas do Governo”. A Genciana Viúva (cujo marido a melhor coisa que fez foi morrer a tempo) amanda-se copinhos de malvasia tinta da alva ao sol-pôr em ademanes de Senhora da Agonia a quem o manto vai caindo à serradura do chão. O polícia Gervásio, que pensava estar a nove meses da reforma, já não está a nove meses da reforma, pelo que dá razão ao barbeiro Teodoro.
De modo que às nove e meia da manhã já estou maníaco-depressivo de todo. Salva-me porém da tentação suicidária a diária epifania da Noémia farmacêutica, cujos jogo de ancas e balcão peitoral emanam optimismos existenciais os mais duradouros. Quando, pela noitinha, recolho a penates, com e como a galinha, à capoeira para vegetar eldorados oníricos, digo à mulher que o dia foi bom, que tudo-está-no-seu-lugar-graçazadeus, que um dia destes ’inda me lembro de lhe trazer cerejas, que ’inda bem que não temos carro, que o que por aí vai de romenos no Governo, ó Teodoro. 

No comments: