Saturday, September 08, 2007

O Senhor não me Faltará

para o senhor

1

Relicário da apaziguada emoção
esta luz na frescura matinal
olha-me nos olhos tal o retrato
seu encostado aos livros de pintura.

É muito bonito olhar um morto
que nos olha nos olhos à luz
da manhã viva.

Deve ser porque o amor continua
em casa num retrato
e à luz da manhã
na rua.

2

Sigo vendo a lápis as rosas.
Quem em menino vê o Pai desenhar
não mais outra natureza há-de
esboçar.

3

Esta história de amor é das que não acabam bem
porque
esta história de amor é das que não acabam.

4

Pai
repare que continuo.

5

Pai
repare que continuo
a tratá-lo por
senhor.

6

Eu sei
sou tão sensível à luz
por ser
negativo.

7

Depois de nós
as árvores fazem
como antes.

8

Uma vez na minha vida
entre Elvas e Coimbra
parei numa praça solar de Évora.

Vi o senhor em todos os homens.
Vi o senhor de novo coxeando
como as pombas

uma vez na minha vida.

9

Homens na noite tenho visto
aumentando a noite derredor
como súbitos fósforos acesos.

Vejo o senhor na manhã.

10

Beijo o senhor na manhã.

11

Já se me musgam as fontes da cabeça.
Cabelo nasce-me do imo dos ouvidos.
Suspiro já solfejos assobiados.
Só não sei desenhar rosas como o senhor.

De resto
estou pronto.

12

Acendo o carvão e esqueço-me das sardinhas
como o senhor
fico a olhar o lume.

13

Tive de
de novo
nascer longe
quando o senhor
se foi embora
para longe.

14

Vivo o andamento do meu amor
como vive o remador
em barco e água.

15

Lego aos meus leitores
o outono vitalício do legado
do senhor.

Faço assim:

na orla de um lago entre árvores
toco a pele da água com a água
dos meus olhos.

Dos meus olhos
então
de novo
o olhar do senhor.

Ele
o senhor
é quem olha
os leitores.

Não já eu.

16

O meu Pai é o senhor.

17

O senhor é o meu Pai.
Nada me faltará.

18

O senhor pintou
em azulejo a tinta de baixo-fogo

o D. Fuas Roupinho e o veado suspenso
o S. Jorge e o dragão assassinado
a Sãozinha da Abrigada e as rosas virginais
o Padre Américo e as crianças sacristas
o S. José e o Filho do Outro
o Simón Bolívar e o labirinto emigrante
a Santa Teresa de cabeça enegrecida
o S. Pedro e as chaves que não abrem
a sua irmã Maria e a tuberculose das varinas
a Alexandrina de Balasar e os lírios paraplégicos
o Lenine olhando o senhor nos olhos
a Lígia pequenina na fonte de Antuzede
e a sua mulher olhando-nos nos olhos
como se a minha Mãe fosse o Lenine
ou
a Sãozinha da Abrigada com rosas virginais.

19

À tal orla do tal lago entre árvores tais
usa a água chegar em apaziguadas ondas.

É o trabalho do sal nos olhos.

Agora os meus.

20

Por não saber lapijar rosas
junto outonos numa caixa feita de
língua portuguesa.

21

A manhã não é como o senhor
porque termina.
Tenho de ir para casa
fazer o almoço
tenho sardinhas e lume
para acender.



Caramulo, manhã de 7 de Setembro de 2007

11 comments:

JPC said...

Mais uma vez obrigado, ó cão luminoso, por estes poéticos momentos preciosos.

LM,paris said...

bonsoir daniel,
recebi hoje o seu livro, que bom!
Vou andar com ele e vou lê-lo com o làpis, é assim que faço, ler, anotar, riscar, ler outra vez.
Começei pla peça de teatro,ja a leram em voz alta?
Este poema para o seu pai, é lindo, lindo, é todo ele redondo de saudade e amor.
isto tudo é necessàrio e estou feliz de participar nesta leitura.
" no fundo da mina, ao sol, juntos".
Merci beaucoup daniel,
até jà, lidia,
LM, paris

Daniel Abrunheiro said...

JPC e LM: agradeço eu.
Bonsoir, bonne nuit, bons dias, noites boas.

LM,paris said...

daniel,
Nao posso deixar novamente de vir ler este seu poema que me aperta o coraçao.
é limpido de amor.
Bem-haja, bonsoir.
LM, paris

José Antunes Ribeiro said...

"(...)
Lego aos meus leitores
o outono vitalício do legado
do senhor.

Faço assim:

na orla de um lago entre árvores
toco a pele da água com a água
dos meus olhos.(...)".

E nós, os teus leitores, só podemos agradecer!
Um grande abraço, Daniel:)

pc said...

Este seu poema é lindo, lindo, lindo. Já li, reli e voltei a reler.E sempre que o faço parece que é pela primeira vez. Os meus olhos ficam brilhantes, enchem-se de lágrimas. Também eu sinto essa saudade, esse carinho e esse amor pelo meu Pai, que nunca tratei por "Senhor" mas apenas por Pai ou Paizinho. Tive apenas 4 anos para o chamar assim. Depois ele partiu para a grande viagem. Não porque o quisesse mas ficámos apenas eu e a minha Mãezinha. Continuamos a vê-lo, a recordá-lo, a vivê-lo e sobretudo a amá-lo. Sempre e para sempre.
Obrigado por este(s) momento(s)!!

Paula Raposo said...

Um poema maravilhoso!!

Alex said...

Foi a Lidia que me disse para vir ler. Foi ontém, durante uma curta conversa em que cruzámos tempos vividos, em que falámos do ... pai.

Não é apenas lindo, o que me emociona e me deixa na boca o sabor do sal, é o sentimento de respeito, de carinho, de gratidão que retiro deste poema. Sentimentos que hoje em dia,infelizmente, se perderam.

A Lidia tinha razão, este poema é o maior tesouro de um pai.

Um abraço Daniel.

fj said...

No dia do Senhor, vale a pena reler isto! Abraço.

newsoul said...

mandaram-me este poema e... li-o
lindíssimo!
eu amo o meu pai, não sei se ele o sabe, nunca lho disse
ele ama-me, eu sei-o e ele nunca mo disse
amor é silêncio...
o que faço chega... o que ele faz chega também
nunca o tratei por senhor mas sei que nunca me faltará
obrigada... mesmo obrigada pelo poema e obrigada a quem mo enviou
volto em breve :-)

newsoul said...

mandaram-me este poema e... li-o
lindíssimo!
eu amo o meu pai, não sei se ele o sabe, nunca lho disse
ele ama-me, eu sei-o e ele nunca mo disse
amor é silêncio...
o que faço chega... o que ele faz chega também
nunca o tratei por senhor mas sei que nunca me faltará
obrigada pelo poema e obrigada a quem mo enviou
volto em breve :-)