Thursday, October 21, 2010

Três Sonetos da entrada 92 do Ideário de Coimbra (quinta-feira, 14 de Outubro de 2010)

(soneto-maria)


O rosto dela é matizado de azulejo.
Finíssimo cabedal de carmim lhe enroupa
a mesma boca que, atirando um beijo,
a volvê-lo se nega, por pirraça e desejo,
ensejo a que ela nunca se poupa.


Tem algo de barco andarilho.
É certo: foi já casada e tem um filho,
mas ninguém o diria. Maria (assim se chama)
oblíqua na rua, direita na cama,
tem algo de barco e espuma no trilho.


Gosta de espargos, gosta de morangos.
Aos sábados sai, vem o pai do filho.
E saem os dois e dançam uns tangos –
valsas é que não, pode dar sarilho.


*


(soneto-cão)


Vi o homem com boca de cão triste.
Vi a dama habitada pela cegonha.
Da Terra me tire e no Inferno me ponha
quem jure que eu sou alguém que desiste.


Vi já silhuetas só sombras de nadas.
Vi tantas marés, bem menos vi praias.
À espera que entres e nunca mais saias,
eu vi silhuetas de mar assombradas.


Aqui entre nós, penso ter já visto
más coisas, más almas, a que só resisto
por puro obstinado feitio nascido.
Antes isso! Que, se não desisto,
é por teimosia. Já agora, insisto
em ser o tal homem, cão entristecido.


*


(soneto-vivido)


Ela desesparadrapa sedas inconsúteis, falando.
Murmura mais do que fala, marulha.
É de tenra e terna suavidade, a locutora.
Aprecio-lhe o vocalismo brando, sonhando eu.


Pergunto sem outra voz que esta, a de dentro,
que será feito delas, digo, ela e dela a voz.
O tempo é dado a assoreamentos levadores
do que água em pessoa (me) foi, digo,


tenho perdido alguéns – e ninguém, por isso,
tenho eu mais que outros sido e/ou vivido.
Agora, o veludo usa postes para ser noite.
Fora, tudo recusa que gostes. Foi-te
precioso ter esquecido, mas eu tenho perdido
o que, vivido, nem por isso mais sido.

1 comment:

Anonymous said...

fosca-se!!!