Thursday, July 12, 2012

Rosário Breve n.º 267 - in O RIBATEJO de 12 de Julho de 2012



Cigarrelvas

De irregulares mas constantes tempos a tempos, sofro de um bom, benigno, benévolo e benfazejo convite para almoçar. Vem o convite de um destes três rapazes: ou do Artur, ou do Leonel, ou do Licínio. Somos momentaneamente felizes os quatro: o Artur, que é bancário, o Leonel, que oficia e revê contas, o Licínio, que é administrador hospitalar, e eu, que não faço nada.
Ao reencontro, abraçamo-nos com mais ou menos discreta efusão, assentamos as nalgas nos lugares certos (no sentido dos ponteiros do relógio, Leonel, Licínio, eu, Artur) e começamos logo a insultar-nos uns aos outros com a maior brandura deste mundo a propósito do vinho que há-de ser, se as azeitonas prestam ou não, se o queijo de Idanha é ou não melhor do que o endógeno do Rabaçal, se a empregada de mesa marchava ou não marchava e com qual de nós.
Lautodeleitamo-nos de seguida com algum monumental cozido, alguma escabrosa feijoada ou, hélas!, alguma delicada cabeça de corvina grelhada cómilfô. A conversa, natural e inapelavelmente, deriva de imediato para os três únicos assuntos possíveis a quatro almoçadores já maduros e já outonais: a) gajas; b) futebol; c) Relvas.
Quanto a a), já se sabe: mais é o ladrar do que o morder.
Quanto a b), que o Proença árbitro lá teve o merecido prémio de roubar tanto o Benfica e que o Cristiano Ronaldo é que come tudo o referido em a).
Quanto a c), o pio pia mais fino e o fio fia mais a pino: é que, na generalidade, o plenário afina pelo diapasão de o Relvas desafinar tudo quanto nos ensinaram que era o fado.
Particularizando: o Relvas matou, pela segunda e última e derradeira e definitiva e perpétua e vita-mortalícia vez, o Monsieur de La Fontaine.
Monsieur quem? De La Fontaine, o célebre e celebrado autor de fábulas imortais como a da Cigarra e da Formiga (autor ou recontador, aceitando que a história original pertence a Esopo). E matou-o porquê? Matou-o porque demonstrou que, afinal, a Formiga não tinha razão nenhuma, que trabalhar todo o Verão da existência para ter que comer no Inverno da vida não leva a lado nenhum; e porque a Cigarra é que a leva direita, só tocando e cantando em vez de andar por aí armada em parva a vergar a mola e não cuidando do honesto estudo, nem da invernia, nem da aposentação, nem do final desamparo minuto a minuto (des)contado desde que se nasce.
Em termos de b), portanto, o c) dá nisto: La Fontaine, 0 – Relvas, 1.
Acho que não preciso de esclarecer os meus leitores: sabeis bem do que estou a falar, bastando-me apontar-vos o que o Negócios Online publicou terça-feira passada. Isto: Miguel Relvas viu o seu currículo valorizado depois de ter transmitido à Universidade Lusófona que tinha sido presidente da assembleia-geral da Associação de Folclore da Região de Turismo dos Templários, entre outros elementos do seu percurso profissional.”
Acabado o almoço, o Artur vai trabalhar, o Leonel vai trabalhar, o Licínio vai trabalhar e eu, que não faço nada, venho para o café da Rosa e “arrelvo” uma crónica que, se não me dá para o cigarro, dá de cigarra. 

No comments: