Monday, August 06, 2007

FADO DO ACIDENTE MORTAL

A pedido de várias famílias, e em propedêutico-didáctico-pedagógica (ena!) homenagem ao nosso Emigrante (e sua esposa), republico, hoje e aqui, este

FADO DO ACIDENTE MORTAL


Saiu da estrada a malvada viatura
Brita aziaga lhe tirou peso e altura
Hora acabada desgraçada hora sem cura
Bateu na berma resvalou prá sepultura

Era um casal desses que pagam impostos
Contribuições taxas e selos fiscais
Amantes lindos celestinos siderais
Ardiam alto cá na terra fogos postos

Ele Manel ela Maria os dois Teixeira
Pelo Notário e p'la Igreja teixeirados
Recém-casados trilhavam a cordilheira
Do ignoto fado do porvir esperançado

(Refrãogue)
Lá tem de ser
Tem de ser tem muita força
Força é que seja
É de bandeja
Tem de ser

Um renô novo um clio qu'le'zia a matar
A prestações não suaves de pagar
Mas tinham ajuda do padrinho prometida
Mal eles sabiam que lhes custaria a vida

Casa arrendada um tê zero um brinquinho
Naperões novos e um tapete cor-de-vinho
Louça a estrear bicicleta de cambra d'ar
Uma vida nova uma trova de encantar

Maria ia já de esperanças confirmadas
Disse-l'a doutora da Caixa sem previdência
Pois paciência que ele há muitas casadas
Desconsoladas sofrendo dessa apetência

(Refrãogue)
Lá tem de ser
Tem de ser tem muita força
Força é que seja
É de bandeja
Tem de ser

Ele não fugiu dessinorme responsib'lidade
A de ser pai e ser Manel em tão brev'idade
Dissêl'assim: ó Maria tem de ser
Marca-s'o padre antes qu'ele venha a saber

Bodas tão claras
Ó tão raras laranjeiras
Rosas floriram
Até de várias nespereiras

Manel Maria amor é consolação
Maria Manel pele com pele estremecente
Os dois um só coração
Agora extinto p'lo funesto acidente

A Junta diz qu'a estrada era municipal
Já não são corpos não são vida não são gente
Isto é um fado não é política é Portugal
O dono da obra é pior qu'ma serpente

Moral da história não há quem possa saber
O dia que amanhã vamos ter ou não ter
Ó funeral foram trezentas pessoas
Treze eram más o resto eram todas boas

O carro foi prá sucata
A vida é lata
Lá tem de ser

(Refrãogue)
Lá tem de ser
Tem de ser tem muita força
Força é que seja
É de bandeja
Tem de ser




Botulho, noite de 3 de Outubro de 2005

2 comments:

S. said...

Eu já tinha achado esta merda genial, agora volta a cair bem

Porco tapor

Afectos said...

Adiante... A vida não é feita do que aconteceu mas do que vai acontecer (en Portugal)-»