Tuesday, October 13, 2009

AVES COMETENDO O ANIL E DEMAIS VIAS-FÉRREAS - 8

8

Pombal, tarde de 8 de Outubro de 2009



Cidade mínima de aos pés de pequena serra.
Brandura eólica, refrigerante.
Tempo de mulheres vivas fumiformigando crianças vivas, apáticas.
O mercado alimenta a cidadezinha, o mercadinho mínimo.
Isto da subsistência, isto da subexistência.
Isto de as religiões cobrirem de ideologia os regimes.
A cebola, seu pranto de crocodilo refogado.
O alvar, o lustral, a paneleirice dos bolos-de-anos.
As adegas em sossego de moscas enxofradas, camoesas.
A vida crónica.

Um tempo (um templo) simples e respiratório à sombra de pessegueiros em chovendo: não mais nem nada peço, posso, nem passo.

No comments: