Sunday, October 11, 2009

AVES COMETENDO O ANIL E DEMAIS VIAS-FÉRREAS - 9

9

Pombal, tarde de 9 de Outubro de 2009



Serei um dia cinza do teu nome,
ninguém em ti quando alguém antes de ti.
Passos dou a esta cidade mínima (= a minha vida)
dada aos cães, às pombas, às terças-feiras.

Para lá das cinzas que somos desde nascidos, vê,
o nosso nome é mármore de pequenos acontecimentos.
Vivemos sem no saber de mínimos momentos,
que desde nascidos cinzas somos para cá, vê.

Pequena Mãe minha mínima a esta hora em sala
sua sentada caladamente antiga, velha, digo,
minha Senhora original, mãe-de-água, cala,
nosso, meu, matricial amor, meu mais amigo.

Sentadamente, uma quinta-feira, sou o homem
que é preciso não conter em sentada casa.
Que o tomem por homem, calado, não já jovem,
sujeito embora e 'inda a golpe d'asa.

Maravilha: est' arquitectura, esta feira-quinta,
este vivo estar em puro agravo.
Dou-te em mi bemol aguda requinta,
rosa minha - e eu, teu impuro cravo.

2 comments:

Anonymous said...

És muito mais que cinza, cinzas... és maravilha, essa pura e requintada arquitectura da palavra! quanta beleza!
C.

daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Não concordo - mesmo.