Tuesday, March 04, 2014

CEM-CATORZE: TERMINAÇÃO (último texto do caderno 27 da série Leite dos Santos)


CEM-CATORZE: TERMINAÇÃO

Leiria, terça-feira, 4 de Março de 2014

Ontem, três anos que a Mãe nos terminou.
Em paz na terra, então como agora.
Olha: é um lírio do campo.
Sal da terra. Mulher de boa vontade.
Presente nas palavras do presente.
Pretérita amanhã, todavia.
Mais branca na morte: noiva outra vez.
Nós por aqui: orfã’ndando descalços no terreiro do circo,
do terreiro do circo cortando-nos nos despojos afiados.
Orfeus órfãos, partilhamos uma língua universal,
por particularmente obscura, com os órfãos outros todos.
Empalhámos a gaivota.
Engessámos a santa.
Perdemo-nos da mulher.
Já não vamos a correr para casa.
Já o fizemos – para contar-lhe a rua.
Dédalo mais simples agora, esta Ítaca de nenhum retorno.
Ainda perfumadas dela, as mercearias que resistem à passagem:
café, sabão, bacalhau, naftalina, à passagem.
Tudo agora afora cânfora, água de flores pisadas.
Persis-resis-exis-tência dela na lavagem da roupa.
Muda de calças, filho.
Aproveita e muda de vida também, filho.
Não fumes.
Não andes por aí só por andar.
Não abandones as minhas datas, filho.
Os chinelos-de-quarto dela levitando-a.
As fraldas de velha que deixou por usar: bebé rebelde, terminal.
Ao cabo e ao fim, uma Mãe dessas que só em, ou de, Portugal.

No comments: