Friday, July 21, 2006

Mãos Velas

Há mãos mais belas do que mulheres inteiras.
Não tocam os objectos, dizem-nos.
As outras mãos são objectos, perante elas.
Essas mãos não dão nunca a mão.
Não têm idade nunca.
Semelham jamais ter nascido.
Nunca as vi mortas, pousadas embora,
algumas, sobre vazios cascos, de gente,
na igreja, velas ardendo.
Não amo tais mãos, acho-as só
sós. E belas.
Torcem-se de sangue e ossos.
Ganham sol, aranhas morenas.
Algumas dizem adeus no vidro
dos comboios.
Outras pulsam a linha de pesca.
Umas têm dinheiro, outras
pedem-no.
Todas iguais, rumorosas todas.
Como insolentes crianças cheias
de inteligência macabra.
Só se calam quando chegam
à poesia: é vê-las
então, mamando
do próprio veneno.



Caramulo, noite de 20 de Julho de 2006

5 comments:

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
SolMaior said...

Daniel,que parasita é este?

Anonymous said...

Caro Daniel, congratulo-o pelo seu blogue, e deixo-lhe convite para visitar a minha página:

http://mancelos.googlepages.com/home

Um abraço,

João de Mancelos

Paula Raposo said...

Visito pela primeira vez este espaço. Gostei imenso do que li escrito pelo Daniel Abrunheiro. Acrescento que, enquanto a inveja se manifestar sob a máscara do anonimato, a caravana passa, já que o talento tem asas e a inveja corrói aqueles que a possuem e que não dão a cara!!

daniel abrunheiro said...

Meus Amigos: os insultos não têm importância.
Solmaior: não ligues.
João: lá irei, claro.
Paula Raposo: bem-vinda seja e muito obrigado.