Monday, March 21, 2011

IDEÁRIO DE COIMBRA - podografias de retorno – fragmento final da entrada 133, datada de Coimbra, 14 de Dezembro de 2010

As árvores da minha rua acontecem pássaros.
Eu sou o gajo do casaco que pode ser.
Às vezes os carros tocam-se, as pessoas
nem tanto, os estacionamentos são o que são.

Eu digo as ruas de Dezembro, eu dig’ as luzes.
Eu ando aqui-aí sem ser por nada.
As árvores da minha rua esperam (a)o frio.
E eu também, eu juro qu’ eu também.

Isto é tudo quadras populares.
Isto há-de ser tudo carnação.
Voz do sangue, voz de nada.
Voz de nada, voz-lápis de nada.

No comments: