Thursday, May 29, 2008

VAMOS COM CALMA - uma canção

Viseu, tarde de 28 de Maio de 2008

Pelos campos de minh’alma
vejo agora assomar
andores d’andorinha calma
brancos negros como o mar.

Tudo em volta é perfeito
como minha vida não.
Poesia sai do peito
deixa em paz o coração.

É singelo e sem gelo
quanto pela língua vivo
que sem ela sequer vivo
sou ou estou horrendo ou belo.

É uma paragem no tempo
viver tão antes da vida
que ao nascer nos é devida
uma passagem no tempo.

Nossos filhos como estão?
Qual é deles a condição?
Quão amamos quão perdemos?
Nados mortos mui vivemos.

Pelos campos de minh’alma
vejo agora assomar
andores d’andorinha calma
brancos negros como o mar.

No comments: