Thursday, January 23, 2014

Rosário Breve n.º 342 - in O RIBATEJO de 23 de Janeiro de 2014 - www.oribatejo.pt

A mesma história duas vezes

Por ocasião dos primeiros dias do ano corrente, apareceu vadiando pelas imediações do bairro onde assentei praça para a vida um gato. Bonito, masculino, sozinho, o todo dele parecia-se demasiado com o nada, mercê do golpe sem mercê do abandono. Pela esplanada da pastelaria, o animal roçava-se pelas pernas humanas dos sentados, mais mendigando afagos na cabeça do que comida. Conto-me entre as pessoas que se condoeram do bicho, decerto perdido de carinhos até então usufruídos. Não mostrava feridas para além da do olhar, que catrapiscava desamparo a milhas longas. Um dia, na passagem coberta entre prédios, apareceram duas taças plásticas, uma com água fresca e outra com ração seca própria para felídeos. Comecei a trazer a minha contribuição diária.
Pelos mesmos entretantos, ali-além, à beira de uma vala que delimita a oriente um terreiro de feira, fiz outra descoberta. Existe nesse azimute um cubículo pré-fabricado, desses que servem de guarita de billheteira para os certames pimbas tão ao gosto da populaça de alegada ascendência lusitana. Como o gato referido supra, também o cubículo amanh’anoitece todos os dias em abandono. Até começar o ano.
Aconteceu que, debruçando-me eu para içar do chão o guarda-chuva, que se me escapulira do antebraço do lado do relógio, me foi dado sentir que a minha pluvial e proverbial solidão não estava tão sozinha quão de costume. E não estava: reerguido, vi pela janela estilhaçada da ex-bilheteira um homem quase ainda rapaz lá dentro. Também sozinho, também masculino, talvez bonito quando criança com casa de pais ou mulher. Estava lá dentro deitado, por paradoxo, entre cartões de embalar frigoríficos para se aquecer, que o Janeiro tem andado de modos frígidos. A minha cabeça assustou-o. Como que devassado, mirou-me em cautelas defensivas. Tivera ele asas – e estou certo que teria despassarado dali num fósforo de tempo. Por respeito, por embaraço também, murmurei-lhe Desculpe e despassarei eu de chapéu, guarda-chuva e gabardina, que até parecia o Jacques Tati. Na crónica que de imediato senti não poder deixar de escrever, guardo o olhar dele: fulgia daquela brasa álgida tão própria dos que perderam tudo menos a certeza de a vida ser uma estéril meretriz quando lhe apetece.
Levei-me para outra geografia onde as chuvas não doessem tanto na almácega do coração. Tão cedo, não volto lá a passar. Não é que eu não tenha em casa comida de gente para partilhar com ele. O meu receio é que, levando-lhe algum pão, me distraia a ponto de, sem que ele mo peça ou de mim o espere, ainda acabar por lhe fazer algum afago na cabeça.


No comments: