Tuesday, January 25, 2011

Ideário de Coimbra - 151 (fragmento 1)


© F.J. - Girassóis



151. CHOUPANA E OUTRAS VIOLÊNCIAS
Coimbra, segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

uma choupana quase perdida na extensão do campo agrícola. É onde o cultivador guarda as alfaias. Mas não só – dentro, um catre guarda-lhe algumas vezes o sono. Numa arca, conserva comida humilde e justa: bacalhau, conservas, algum vinho, azeite, vinagre. O resto da comida vem da terra: cebolas, batatas, alhos, couves, cenouras. Nabos. A um canto, o cultivador faz lume seguro. Uma panela de ferro acciona o caldo. Quando chove muito, o homem liberta-se do amanho e recolhe ossos & olhar à choupana. É uma construção mais sólida do que parece. Ele instituiu-a com traves firmes. O recanto da lareira é uma coluna de pedra. Todo o resto do edifício é de madeira. O chão é terra calcada. Há um cão chamado Piloto. O animal conhece o cultivador desde sempre. Quando o homem vai a casa amar a mulher, o cão fica. Já conheceu duas cadelas, mas foi há tempo de mais para recordar ainda esse desejo, essa fremência, esse lapso de loucura a partir das pernas traseiras. No Estio, o Mundo arde como uma laranja. No Outono, é mentira que as coisas desistam. Aves sulcam o sul. A terra dá, a terra permite. Quando o cão morrer, a terra abrir-se-á em mãe. O mesmo quando o homem e a mulher dele. Ao contrário do cão, homem e mulher não têm filhos. Na casa alta da aldeia, ao alto, a mulher espera em acção. Quando o homem vem, dá-lhe carne: a da ceia e a do corpo dela. É um contrato justo e humilde como a comida que, na arca da choupana, o mantém vivo. E no Inverno o cão adormece de olhos abertos ante a Grande Lua. É então que a Primavera traz um cesto de brisas e morangos, parece uma menina, Santo Deus.

No comments: