Saturday, September 04, 2010

Quatro Quadras quase Soltas - seguidas de Olhos e Outros Arredores com que a Mãe (versos recentes para o Ideário de Coimbra)

QUATRO QUADRAS QUASE SOLTAS


A poderosa angústia sorvedoura
do melhor que a vida tem no dia-a-dia
– el’ é quem faz pasto e lavoura
no campo que nós somos em porfia.


******


Inspector sem múnus da irisada vida,
que de mim farei, que me desfaço?
Do temporão leite ao serôdio bagaço,
que de mim farei, que me não refaço?


******


Por ’mor da vida que me for restante,
a paz devo fazer c’a já (viv)ida.
A vida que sobrar será bastante.
Ávida, há vida que m’é devida.


******


Tu, que inexistes, és quem sabe
das ribas do dia as cinzas rasas.
O rosto da Mãe: quanto nele cabe?
A ave, a árvore, a terra, as casas.


******


OLHOS E OUTROS ARREDORES COM QUE A MÃE


Olhos que a terra embacia de ramas,
jóias de água de nascentes morientes,
olhos que olhados tu mais amas,
jóias da Mãe fulgindo decadentes.


O peito quase exausto arfa ainda
o magma que meu Pai mais desejou.
Já seca ’stá a seiva, mas seiv’ ainda.
E é linda ainda a fonte que a brotou.


Fui ver quem ela foi – e o que trago,
é bem quem ela é, sempre será.
Os s’ores vivam à vontade, ’tá tudo pago,
que o mais, enfim, ao menos se verá.


Unhas e dedos repetem da gente
que ela gerou sabendo que gerava.
Tão parecidas são, tão parecidos!
Conceber é parecer quem amava.


Hoje choveu sobre as mais velhas ramas.
Fui pedir a senhoras que a deitassem.
Dei ’ma nota de euros, tal que a amassem,
a olhassem como a olhas e mais amas.

No comments: