Wednesday, October 29, 2008

Recorte-e-Colagem de fragmentos de PREFÁCIO QUANTO POSSÍVEL, de Mécia de Sena, à 2ª edição revista de 40 ANOS DE SERVIDÃO, de Jorge de Sena


Pombal, tarde de 28 Outubro de 2008





Soube-me sempre a destino a minha vida
toda uma vida agora encerrada.
O tempo-limite mais tardio
a data-ano a que o tempo se
expressamente referisse se
igualmente verificasse.
Foi preciosa durante anos
a dificuldade de
praticamente
todos os poemas.
Dentro postos os tempos:
a selecção final,
a servidão:
súmula solícita.
Particular adolescência grata e cruel:
inicialmente.
Completo corpus:
metodicamente,
inevitavelmente.
Transatlântica, longa:
a produção:
anos de perseguição:
ordenação dela.
Meninos,
armas e
bagagens.
Após dificuldades, pareceu-nos
que deveríamos seguir, mesmo
excluindo indicações existentes.

Vastíssima vida, agora
respectiva.

1 comment:

Manuel da Mata said...

Podíamos discutir vastamente a questão dos"Quarenta Anos de Servidão" de Jorge de Sena, como diria o Eça. Depende sempre do ponto de vista. Se calhar foram "Quarenrta Anos de Liberdade".
Tu, amigo Daniel, que tanto sabes destas coisas da literatura, já alguma vez pensaste no fascínio que Camões exerceu sobre Sena?
Eu, humilde escriba, confesso que há um paralelismo nestas duas existências.
A DISCUSSÃO PODE FICAR PARA DEPOIS.