Thursday, October 15, 2015

Rosário Breve n.º 427 - in O RIBATEJO de 15 de Outubro de 2015 - www.oribatejo.pt

Foto de Helder Jorge Tomás Medina



Bockas à saúde do infante

1. No lugar de Cavaco, eu nomearia Governo a partir de um bando de passarões executivos provindos da Unicer, da Mota Engil, do Grupo Lena e do (velho) Novo Banco. Primeiro-ministro: Marinho e Pinto, talvez. Ou melhor: o Sérgio Sousa Pinto.
Das duas primeiras corporações, dúvida nenhuma: o corrente ministro da Economia foi todo superbockeiro-superrockeiro; e o outro Coelho, que é Jorge, também sai da cartola a preceito, caiam as pontes que caírem.
Das restantes duas, a malta sabe muito bem o duplo motivo por que as nomeio: Etc.-Etc.
O heterónimo santareno da Unicer é a Rical, ali à Quinta do Pinheiro, na Portela das Padeiras. Coisa de centena e meia de trabalhadores vem para a rua depois das eleições. (Ponho em itálico o “depois” por ser importantíssimo – não foi antes, foi logo depois: a lealdade manhosa é uma coisa muito bonita, Pires de Lima que o diga.) Vale que, hoje em dia, “vir para a rua” não é sinónimo de “despedimento” mas de “requalificação”. Ou de “inconseguimento”, como diz aquela patusca que agora foi para aqui chamada não sei porquê. (Não sei mas sei.)
Todavia, de repente (Tchárán!) e em estilístico golpe-de-rins, passo a falar de mim mesmo:

2. Sobrevivi a uma infância feliz – toda a gente importante era viva e de vez em quando havia laranjada. Era só por festa, valha a verdade, mas existir era já de si e por mim uma festa. De quando em vez, portanto, gaseifrutavam-me o palato marcas deliciosas como a brisa no rosto à beira-rio: a Bussaco do Luso, a lousanense Serranita, a leiriense Superfresco ao litro, a rotunda Laranjina C da mafrense Venda do Pinheiro e a modesta Rical, que nos meus anos mais verdes eu não relacionava ainda com Santarém. As caricas de todos estes vidros bocais serviam-me para fazer ciclistas movidos a mola de dedo médio com o polegar a fazer de comutador-de-tiro. Não havia ainda Coca-Cola, havia só ditadura – e os despedimentos colectivos não podiam ser notícia. Em democracia, felizmente, já podem.
Entretanto, e ao jeito de hemorragia indolor, esvaiu-se-me a infância.

3. Noutro repente golpe-renal, a cerevisia escancarou-me os portais da vida pós-menino. A Fábrica de Cervejas de Coimbra era a escassas centenas de metros da minha porta. É hoje uma pilha de escombros. Como o é, mesmo ali ao lado, a Triunfo das massas, bolachas e rações. E a Estaco das louças sanitárias. E o Jaime Dias dos transportes internacionais rodoviários: ruínas, ruínas, ruínas, ruínas. Da minha terra, a cerveja era A Cerveja. Aguava-a o Mondego. O melhor cereal a encorpava. Marcas sublimes: a loira Topázio e a negra Ónix. Nota importante – com a desaparição destes honrosos e bebíveis ex-libris da cidade de Coimbra, aderi à horda de mamões da SuperBock. A Outra (leia-se: a Sagres) era mais quando não havia a Super. Até ontem.

3. Até ontem – porque, em solidariedade para com a ronda de centena e meia de pessoas desbaratadas da Rical/Unicer, vou desBockar-me, se bem me entendeis. Tenho pena, mas a ex(?)-patroa de Pires de Lima deveria tê-la também. Pena, digo. Porquê? Porque eu, praticamente sozinho, e nos meus melhores anos, constituí coisa de 8,3% do produto interno líquido (naturalmente líquido, meu bruto) da Unicer. Nestes já muitos anos meus de glorios’eufórica espuma-dos-dias & de intensas noites fermento-levedadas, a cervejola do Pires de Lima foi para comigo de uma fortuna inexcedível. Foi a minha alta boazona de tipo nórdico. Foi o mote (à pressão como à botelha) de muitas voltas em verso. Foi o antídoto da solidão intermultitudinária. Foi o eco da minha mudez. Foi à grade e foi ao barril. Foi com tremoços & amendoins e sem amendoins nem tremoços. Até à véspera de hoje. Pelas consabidas e expostas razões minhas. Falo a sério, não duvideis. Tão a sério, que me parece ser revisitante da maravilhosa mocidade perdida minha. Eis-me, ó abençoados rins golpistas!, de novo infante.
De Sagres.


No comments: