Thursday, July 04, 2013

Rosário Breve n.º 316 - in O RIBATEJO - www.oribatejo.pt

Um gozo diferente da comum gente

Nas terras pequenas, as existências idem são por vezes mosqueadas de um gozo diferente do da carne (viva ou assada), por a ela concorrer tão-só a serotonina específica da emoção má chamada “desforra”. Nas terras maiores não será talvez muito diferente, mas disso não falo por coerência retórico-geográfica: nada valho, nem (d)a terra onde vivo. Mas adiante.
Foram os casos, esta semana, da queda daquela arrastada e paulatina e errada figura tão desfasada do real como os islamitas do toucinho, os indianos da higiene e o zamericanos das crianças desarmadas, amailo da condenação efectiva a dez anos de prisa daquele quisto lustral que em má-hora soube guindar-se ao leme de um Clube que já viveu melhores assembleias e melhores coloniais.
O gostinho a pólvora no palato da alma substanciou-se-me de uma doçura que já só pertence ou à justiça inequívoca ou às crianças desarmadas.
No dia da demissão do ministro que falava devagar e prejudicava depressa, regressava eu a casa de uma incursão de cinco dias à minha cidade-natal. Dei por mim, quando soube da velha nova, a assobiar solfejos de adolescente a quem o futuro é um futuro de sentido obrigatório, proibido é que não. Libei a nova (no sentido de “notícia”, que às vezes tenho de explicar tudo) apeadeira com uma tacinha fria de branco agulhado da Mealhada que me soube a champanhe em Montmartre sustido em sovacos por coristas do Moulin Rouge.  
No dia seguinte, soube-se daquilo do burlão que ainda gozou uma data de tempo o preto e o prato em Londres até que o TriboPortunogal o cangou a preceito. Sorri então eu o mais escarninho dos meus rictos – se o Vale e Azevedo, por uns (não muitos, mesmo assim & afinal) milhões, apanhou o que apanhou, quantos não apanharia (em milhões e anos) o Gasparzito, o Lento-Rápido, no caso de as fraudes com direito a carimbo governamental serem vistas e tidas e entendidas e punidas como tão criminosas quão as do foro privado?
É ciência corrente que “com uma pistola se rouba um banco, mas com um banco se rouba toda a gente”. O roubar só é crime, sabemo-lo, dependendo do lado do balcão. Ora, esse (não tão metafórico quanto isso) balcão ladra e morde. Já o médico (por regra) se distingue do político (com excepções) por isto: aquele jura por Hipócrates, enquanto este é um hipócrita que jura. Entre o Gaspar e o Vale, no cadinho já não crisol do meu entendimento, a diferença está na evidência de o advogado só ter lixado o Benfica, ao passo(s) que o alegado “génio financeiro” deu cabo do Benfica, do Sporting, do Penafiel, do Lusitano de Vildemoinhos, do União de Tomar, das Académicas de Coimbra e de Santarém e de Newark, da Segurança Social Futebol Clube, do Comércio & Indústria das Relações com as Mulatas de Cabo Verde, da Juventude Salesiana do Tempo em que os Hoquistas de Doze Anos ainda não Eram Vítimas de Pederastia, do Futuro dos Nossos Filhos Todos sem Excepção, do meu vizinho João, do Pequeno Retalho de Famalicão, do Bom & do Mau Jesus de Braga, mais de Quem Consome, se Some e não Paga, dos Pescadores de Caxinas, do Alterne Lusobrasileiro das Meninas, do Barbeiro Abel, do Tanoeiro Ismael, do Copeiro, do Furriel, do Porco & do Respectivo (do Porco) Granel.
Vale e Azevedo tem muito quem o substitua. Gaspar só teve, ou tem, esta bracarense chamada Albuquerque que, ninguém sendo de facto, se deu já ao luxo-lixo de deveras mentir, antes de Ministra ainda, ao Parlamento. Triste sina e triste sino: tudo por nós dobra. Tudo nos cobra. Deve ser obra.
Jure-nos Hipócrates, ainda que nos não cumpra.

Antes um menino daquele do zamericanos de pistola na mão e do tamanho antropométrico do novel desempregado, vulgo Gaspar, vulgo qualquer coisa dessas. 

5 comments:

Manuel da Mata said...

Boa crónica.

Malena said...

Muito bom, como sempre! :)

PS: Tinhas MESMO que dizer que a Albuquerque é bracarense, pá?? ;)

daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Não. Sorry.

alfacinha said...

Um prazer para ler
cumprimentos

daniel.abrunheiro@gmail.com said...

Obrigado, Manel, Mad e Alfacinha.