Thursday, July 18, 2013

Rosário Breve n.º 318 - in O RIBATEJO de 18 de Julho de 2013

Rio Sabença

Nos tempos mais recentes, tenho sabido abster-me de comentar por escrito a tragifarsa pulha da política à portuguesa. Por razões curiais e duas: uma, por higiene mental pura e simples; outra, por não querer engrossar o lote de comentadores e de “tudólogos” que infestam os jornais, a internet, a rádio e a televisão, chusma quase invariavelmente abaixo de medíocre que me levou a tornar-me num especialista do “zapping”.
Alheado (mas não alienado) dos fedelhos da tríade PSD-CDS+PS (a quem Cavaco instigou a “salvação da Pátria”, assim de facto e deveras exortando aos gatos a convalescença dos ratos), salva-me diariamente a boa sorte de ter perto da porta um rio que passa e fica. Todos os dias o abeiro. Mirando-o em silêncio, permito-me reiterar a volúvel essência da transitoriedade. Da banda d’além, panos de relva bem cuidada verdejam ao sol. A luz resulta em puro ouro açucarado à língua dos olhos, que as águas vitrificam aos pirilampos numa hialurgia sem cotejo possível. Mães jovens infantam de carrinhos-bebés o areal dos passadiços. Corredores calvo-cinquentenários destabacam os pulmões ortopedicamente. Sonetistas concorrendo a prémios município-literários florilegiam rimas difíceis e vácuas. E homens-sexuais discretos cobiçam óptico-lambedoramente o rapazinho que há muito deixei de ser. Assim, de borla e em graça, me imunizo a vesânias & tristuras, ostracizadas as fialhescas caganifâncias do nosso triste cenáculo lesa-pátrio.
Contra o rio que perto passa de onde a casa me fica, nada pode a esquadrilha de moscas poedeiras do “comentário”. Nada. Ante o eflúvio, sinto-me natural como a chuva e o pardal. Brandos zéfiros e suaves favónios ventilam-me a respiração, pacificando-a de uma doçura e de uma paz de que há muito me não julgava merecedor.
Queiram o meu paciente leitor e a minha formosa leitora pastar de olhos comigo a cena cardial de tanta serenidade: de oriente, um congresso de cirros nimba a coalhos o azul-forte do firmamento; a ocidente, sente-se como se aqui mesmo a mesma ânsia oceânica; do norte, a perenidade lavada da pedra que encima o repouso terminal de meus Pais; e a sul, a invencível beleza do Ribatejo e das minhas leitoras.
Nem por um instante se me desatavia a compostura: à cacolalia-tatibitaite de marcelos, santanas, moitas, sócras, pachecos & quejandos nadas, oponho um nefelibatismo todo-o-terreno de largo espectro de acção filantrópica. Chouso sem remorso o meu coração mental a tal escória. A tais choutos, contraponho, firme, uma passada vertical de vertebrado pobre mas sério. Vale-me a magna Natura de cartapácio. Álamos, faias, salgueiros & plátanos perfumam-me em e de uma supina gentileza a mais diáfana. E a simples visão de um cão a dormir à sombra, pela torrefacção da mais alta hora da tarde estival, é quanto me basta para ser uma espécie de cenobita sem pecado ou mandamento.
Nada me custa, por outro lado, reconhecer ante Vós, e de viva voz, que, assim, nunca, como o meu País, estarei de volta aos “mercados”. Que nenhuma mordomia gatuna encourarei em arca mealheira. Que nenhuma filha de banqueiro me espremerá o acne. Que, por assim dizer, jamais me cinhajardinarei em uma Cascais-wanna-be-Saint-Tropez, benzido de frivolidade e em lustral aparato de gardénia de plástico. Isto porque: não é que a idade me haja trazido sabedoria – mas é que me trouxe a arte do desprezo.

Para guarda-rios, convenhamos, já não é pouca sabença, indo/ficando o longo rio breve da vida idem.  

1 comment:

Malena said...

Mergulhei o olhar nesse rio e nem me lembrei de mais nada! :)