Saturday, November 20, 2010

IDEÁRIO DE COIMBRA - podografias de retorno – 112 - fragmento 3

O colossal diamante da luz matinal liquefaz a pátina em musgo das pedras. Anda-se subindo veredas, sopram-nos as árvores seu (anoni)mato milenar, crianças revoam as infâncias fulminantes, o merceeiro folheia o jornal entre ananases, o professor pensa no curso que não tirou, é tarde agora, qual diamante qual quê.

No comments: