Monday, September 16, 2013

DOIS DIVERTIMENTOS (linguagem e assuntos um bocadinho pesadotes)

DIVERTIMENTO (1)

Leiria, 13 de Setembro de 2013, sexta-feira

Como altos frutos de seiva alta crescem
e passam pela galeria as mulheres alheias.
Todas, sem excepção quase, me merecem
as felicitações mais altaneiras.

Olhai-me esta morena: parece um lírio bronzeado.
É desconfiadita: mamalhuda, olha de lado
o poeta inocentíssimo que a soletra, o vil.
Em cada pernaça rija tem quilómetros mais de mil.

Fincai-me esta loura à força como é de moda:
já aquele coirão (perdão!) mereceu muita foda,
que no derramar do leite está o choro ganho.
Fica-lhe bem a popelina fresca na pele saída do banho.

Estas duas, siamesas, amorangam framboesas.
As bocas são de uma carnação acerejada
que apetece lamber com chantilly – ou então com nada.
Que passinhos voadores! Que sandalinhas princesas!

Passa por fim a feia forte não desprovida de encanto.
Farfalhuda de barrigola, é de marido que gosta de bola.
Mas um não-sei-quê se evola dela,
uma trepidação que conspira sob a blusa amarela.

Já quase arrumo o caderno, já vou quase em casa.
Portei-me hoje bem, não ensaquei o grão-na-asa.
E quando a minha me perguntar pelo dia,
minto-lhe, feito cegueta, que só a ela vi quando escrevia.



DIVERTIMENTO (2)

Leiria, 15 de Setembro de 2013, domingo

Esvurmo, mui voraz, à palitada
de dente cavernoso uma bocada
de carne que ali me apodrecia.

Sarro e catarro arranco a puxões,
que escarro depois sobre um relvado.
Que feio e ruidoso, puxar o escarro

e deixar o verde pano ov’estrelado!
A minha santa Mãe, se isto me via,
ralhava, pomba furiosa, pois não podia

que o Menino fosse qual vil carroceiro,
p’ra mais com universidade e do nome Abrunheiro.
Mas nem sempre se é mota. Às, vezes só se é lambreta.

Sou feliz assim, porcalhão, descuidoso.
Chego a cuspinhar pelo mero gozo
de imitar a fonte, a carranca, a sarjeta!

Ora pois qu’inda bem. Hoje, não lavei ’inda os dentes.
E pois então? Cariados, rachados, são sorridentes
à mesma, quando disso é ocasião.

Esta, uma dessas. Mas pelo que te escrevo não meças
(ou, muito menos, me peças)
que mude agora de condição.

Algumas lostras chegam a ser formosas,
com seu quê de ostras, de ovo, de rosas.
Daí o parecer-me algo pacóvia

a repugnância indistinta ante toda a escarróbia.
As que prefiro são as de recheio como as empadas
– folhosas, cristaladiças, suculentas e folhadas.

E não direi muito pelo errar, não,
que, afinal, todo o cuspir-pró-ar
acaba caindo no chão

como é da mais humana condição.


No comments: