Thursday, December 24, 2015

Rosário Breve n.º 437 - in O RIBATEJO de 28 de Dezembro de 2015

Queres assim ou queres que embrulhe, Rical-do?

0. Do velho mas não esquecido nem extinto Aristóteles (in Política): “(…) existe por natureza a cidade antes da casa e de cada um de nós, pois o todo é necessariamente anterior à parte.”
1. O sumo da citação é bebível com proveito por tudo quanto for sítio gregário de humana habitação colectiva – e Santarém não tem por que ser excepção. O caso da ruína (mais uma) de um telhado em plena Rua 1.º de Dezembro, seguida, meras sete horas depois, pelo enfim-deferimento do licenciamento de obra de recuperação do mesmo edifício (que há um ano era pe[r]dido & [des]achado nas catacumbas insondáveis para onde esta Câmara ostraciza os documentos de mor interesse público), esse caso seria, enfim, de gozão gáudio motivo, se não fosse, como enfim & de facto é, tão desbragadamente demonstrador da militante & impenitente incúria por parte desta Vereação e do todo deste Executivo. Até porque cada 1.º de Dezembro se comemora (ou comemorava), precisamente, a… restauração. (Assim em caixa-baixa e em itálico para o trocadilho funcionar à maneirex, que é como quem diz na-mouche-au-point.)
Esta Câmara(-lenta) acumula medalhas-de-cortiça que só a cobririam de opróbrio na eventualidade improvável e nunca provada de, ela-Câmara, ter duas coisas: cara e vergonha para agarrar à dita. Não tem. É ver outro gritante caso: o da cratera da/na estrada das Manteigas, que há um lustre está por reparar. Cinco anos para tapar um buraco? Já nem é descuido – é dolosa (e dolorosa) incompetência. Será preciso ir laurear-a-pevide à Coreia do Sul com a pandilha dos cônjuges a pretexto de ir buscar um bocado de brita e uns baldes de alcatrão? É obtusidade a mais, para falar com a franqueza mais escancarada. Aquele buraco é, afinal, espelho da maltosa (eu não disse maldosa, mas…) mandante na Cidade e no Concelho, para mal de concelho e de cidade.
À cratera-das-Manteigas só logro equivalência & cotejo no encerramento da Escola do Salvador, ré culpada da própria qualidade pedagógica e presa condenada do economicismo cego extensivo, pelo desditado País nosso afora, a centros de saúde, tribunais e coisas tipo Rical à la Pires de Lima. Os números devem servir as pessoas, não fazê-las penar. O parentesco geopedagógico da Educação (a educação a sério) para com a Pessoa-Educanda também passa, nos seus decisivos & cruciais anos primeiros, pela proximidade da Escola em relação à porta de casa. E só se é de todo de algures quando algures em parte nos pertence. Desta maneira, todavia, a parte pelo todo é que me parte todo.
Aristóteles não discordaria, quero crer.
2. Por estes mesmos tristes dias-da-ira do descalabro do sistema bancário em que o ínvio & madeirense BANIF emula o famigerado BES continental, o também madeirense AJ Jardim é medalhado em Belém pelo ramsésico Cavaco – mais cortiça, portanto. As coincidências são as migalhas do pão que o Diabo amassa à conta da farinha de Deus.
Aristóteles decerto lhe preferiria broa.
3. No porvir próximo, temos as Presidenciais. Votarei, claro está – quanto mais não seja, para honrar a memória dos muitos que combateram (e derrotaram!) a ditadura monstro-salazarenga; quanto menos não fosse, para a eles render grato preito pelo poder de que me investiram no sentido de, mercê de uma simples cruzinha na quadrícula que achar mais parecida comigo mesmo, dizer o que quero, o que não quero, de onde venho & para onde (não) vou. Mas sempre V. digo o mesmo em mais terrena dicção: no mico-de-circo, não voto; na do terror-das-cabeleireiras, também não; no Eusébio, já não posso; no Ricardo Salgado, só se ele vestir o uniforme-45.
Aristóteles? O Aristóteles que vote no Sócrates, se o Platão não vier atrapalhar.
4. A célebre tirada de Porfirio Díaz (que mais anos presidiu à república do seu país até do que o truculento Alberto João à das bananas adjacentes), pode, afinal, não ser dele. Há quem diga que foi criação de um jornalista chamado Nemesio García Naranjo, director de La Tribuna. Não sei. Sei a tirada: “Pobre de Mexico – tan lejos de Dios y tan cerca de Estados Unidos.”
Grande frase, seja ela de quem for. Apetece-me nacionalizá-la. Ou antes: escalabitanizá-la. Facílimo. Fica assim: “Pobre Santarém – tão longe de Aristóteles e tão perto da Rical-do Gonçalves.”
Ora toma lá desta e embrulha-a tu.




Thursday, December 17, 2015

Rosário Breve n.º 436 - in O RIBATEJO de 17 de Dezembro de 2015






R. & A. mas é 


Às 08h43m de quarta-feira, 16 de Dezembro de 2015, Cavaco ainda não tinha aparecido a garantir aos Portugueses que o BANIF merece toda a confiança pela óbvia razão de porque-sim. E todos sabemos que o senhor Silva e a Madeira se entendem bem, sempre se entenderam bem, que são panela & testo, Roque & Amiga, etc. & etc. E quão ele é infalível guru em imbróglios económico-financeiros. E quão nada duvidosos são os seus enganos, aliás nenhuns, jamais-em-tempo-algum. E quão a Academia sueca já há q’anos o deveria ter nobelizado – se não com a Economia, ao menos com a Paz. Ou com a Literatura, que o Churchill também dela foi agraciado – e mais era gordo e bebia e fumava.  
Às 08h56m da mesma matina, o facialmente barbado mas politicamente imberbe edil de Santarém ainda não tinha percebido a relação causa-efeito entre estudo de mobilidade e estado de imobilidade. Nem que o pandemónio evitável da Estrada da Estação é um atestado a céu-aberto de que a puerícia e a política autárquica não são panela & testo, Roque & Amiga, etc. & etc.
Às 09h03m, a entrevista de Sócrates à antiga têvê da Igreja ainda não tinha atingido as duas centenas e meia de repetições, o que é estranho. Muito estranho, aliás – posto estarmos na quadra em que estamos, acreditar no Pai Natal sempre nos faz mais bem do que mal.
Às 09h11m, a rábula triste do 2.º aniversário da morte dos praxados do Meco já não comovia nem revoltava senão os pais dos afogados – pela economia da comiseração, talvez. Ou pela saturação colectiva de um “jornalismo” baseado em ora-a-desgraça-seguinte-ó-fáxavôr. Ou porque as licenciaturas à la Lusófona não obstam a uma carreira no Ministério Público, muito pelo contrário talvez até.
Às 09h23m, um pardal pousou na grade do meu terraço. Cessei imediatamente de mexer-me. Nem um caracter crónico inscrevi no papel virtual enquanto aquele atirador de voos livres sentinelava a realidade a partir do meu promontório de terceiro-andar. Foi só quando partiu que voltei a contar minutos, esses grãos de areia que ao rio da vida assoreiam.
Às 09h29m, os agricultores de horta-para-a-panela (sem testo) ainda não eram licenciados todos em Fito-Farmácia, nem mestrados em Nitrato-do-Chile, muito menos doutorados em Couves-Esquizofrénicas-de-Bruxelas, havendo inclusivamente a suspeita de nem todos terem, sequer, o 12.º novo-oportunista das vacas-mais-gordas daquele senhor que está sempre a passar na TVI.
Às 09h32m, enrolei um mata-ratos e fui cuspinhar fumo & pedacitos de tabaco para o terraço onde há pouco o pardal. Era amena a temperatura, temperada a luz, luminosa a realidade. Mas atenção: é da realidade das 09h23m que falo. Levei trinca-de-arroz para o varandim. Pode ser que a ave volte.
Se voltar, faz de minha Amiga.
E eu faço de Roque só para ela.
O resto, que se banife mas é.




Thursday, December 10, 2015

Rosário Breve n.º 435 - in O RIBATEJO de 10 de Dezembro de 2015

Fala o da voz que não chega ao céu



Uma senhora da minha terra colecciona presépios. Consta que já juntou coisa de um quarto-de-milhar deles. Serão, pois, cerca de 250 vaquinhas. É muito corninho de barro. O mais curioso, no entanto, não é tanta vaquinha junta – isso em qualquer casa-de-alterne se caça por trinta aéreos ou nos pinhais por quinze. O mais curioso é ser só um burrinho. Um só. 250 Meninos-Jesus. 250 Sãos-Josés. 250 Nossas-Senhoras. 750 Reis-Magos. Mas só um orelhas-de-feltro.
Como em tempos andei disfarçado de repórter, deu-me para breve retorno a essa prática inquiridora que é o fel-de-boca dos autarcas mais fraquitos & o desassossego dos menos. Fui-me (por assim dizer) à senhora e zingas!, inquiri-a. Para amnésia futura, aqui fica a acta oratória da dita entrevis(i)ta(ção):

– Olá, ti’ Maria!
– Olá, ti’ Coiso!
– Atão só um burrinho a modos que proquê?
– Proq’ foi o único suficientemente pa’ mim.
– Suficientemente pa’ si o quê?
– Suficientemente burro, menino.
– Menino?
– Jesus…
– Ah.
– Os maiores m’stérios às vezes num custam nada.
– Tou a ber.
– Num sei se tá.
– Faz-m’um bocado ’spé’ce ser só um.
– É quanto me chega. Quanto mais burro, mais zurro.
– Atão e com’é q’a senhora faz quand’a chamam pa’xposições & assim?
– Bou.
– Num é isso. Não a chagam por ser só um burro?
– Não, nadinha. Dão-me mazé munta binho-do-Porto & trouxas-d’obos como à Josefa d’Óbidos dita pelo Mário Viegas.
– E as vaquinhas?
– Tamãe bêm muntas.
– Num é essas, é as de barro.
– Essas num tugem nem mugem.
– Proqu’é q’ não?
– Por respeito ao senhor.
– A mim?
– Não: ao senhor burrinho.
– Tou a ber.
– Num sei se tá. Ao Senhor, burrinho.
– Acha a s’nhora que s’eu puser isto no jornal as pessoas ficam a pontos que’sclarecidas?
– Num m’aq’enta nem m’arrefenta.
– Mazé q’eu preciso d’escrabêr coisa assim tipo sentimentos-de-natal, ó ti’ Maria…
– Acontece munto, ó ti’ Coiso.
– O q’é q’acontece munto?
– O Natal. E os burrinhos q’ind’acreditam nele.
– Diga-m’agora cá, faxabôr: o q’é q’a s’nhora a modos que colecciona nos outros onze meses do ano?
– Barizes.
– Tou a ber.
– Não tá mazeu amostro-l’e.
– Sou casado, ó ti’ Maria.
– Burrinho…

E pronto, era isto. Para a semana, conto entrevistar outra Maria – a de Belém-népias. Esta já tá.
– Num sei se tá.


Thursday, December 03, 2015

Rosário Breve n.º 434 - in O RIBATEJO de 3 de Dezembro de 2015

R-existir sempre, d-existir nunca

Dezembro.
Antigamente, era dourado, rescendia a musgo fresco – e ninguém nosso havia morrido. As manhãs alvoreciam como tratados hialúrgicos. O fascismo era mais em Lisboa. A minha Aldeia, que o crescimento industrial volvera bairro operário, trabalhava o existir com a naturalidade do rio – o rio que é & passa & descobre o mar. Os animais eram livres como o vento, andavam soltos pelas ruas sem chips que nem havia.
Crescer para sempre era coisa que não passava pela cabeça a ninguém. Os adultos já tinham nascido grandes, as avós eram velhas desde meninas – e nós, enfim, não tínhamos fim.
Com a alva iluminada por um tal Salgueiro Maia, pôs-se-nos a todos, assim de repente, um problema – e o problema chamava-se Liberdade. Era coisa que nunca nos tinha faltado. Ficámos apreensivos. Era então preciso empunhar armas a sério para que todos tivessem paz? E que como os cães da rua fôssemos livres a sério & à desfilada? Era.
Noutro repente, trocaram-nos os calções de pano por um fato estranho – a História. A televisão parecia a cores. Um soldado fardado a preceito não era já pretexto para foguetes de euforia regressada da remo(r)ta guerra – mas sim natural como o choupo de sentinela à ponte velha do Campo.
Houve milagres profanos: por exemplo, o senhor meu Pai rejuvenesceu como um pêssego de volta ao pessegueiro; por exemplo, a senhora minha Mãe parecia capaz de ter mais sete filhos pelas mãos.
As paredes passaram a amanhecer pintadas de palavras que eram vozes altas. Não era Dezembro – era Abril para sempre. Era. Era para ser. Era para ter sido.
Dou por mim a receber Dezembro de esquisito modo: que faz aqui a lembrança de um Abril que, rio, foi, passou & se perdeu num mar estrangeiro? Julgo que é consequência de me pôr a escreviver às sete da manhã num terceiro-andar-gaiola sem vista para o Campo da minha terra.
Todavia, é novo o dia. Dezembro começou ontem – e hoje, hoje vou de viagem às bandas do meu Natal pessoal. Tenho lá que fazer. Anotarei o que por lá houver de casas novas & de descalabros antigos. Não conto ir de braços caídos nem de cabeça murcha. Por assim dizer, faço que sou como o Almonda que o cidadão Mário Costa tanto e tão bem guarda: r-existo.
Pensar que sim acabou fazendo-me bem. Apetece-me mais café feito de fresco, já a mulher pela casa ciranda de primeiros afazeres.
Se ela & eu voltarmos a ter casa térrea com quintal, a primeira coisa é fazermos um rafeiro. Se sair cão, chamamos-lhe Dezembro.
Se vier cadela, há-de ser Abril.