Monday, November 30, 2009

Rosário Breve nº 131 - www.oribatejo.pt

Trinta e cinco cêntimos de prosa




Viseu, segunda-feira, fim da manhã. Fui pela Rua Formosa, virei para a Direita. Vivi, entre pessoas que passavam, a evidência de todos sermos ambulatórias lápides: e anjos desasados. Não foi uma sensação mórbida, não foi um arroubo lírico. Foi uma evidência solar. As pessoas: para cá e para lá, seus rostos historiando as vidas que passam na rua que fica, no tempo que passa.

Entrei no Café Isabelinha, comoveu-me a visão, numa estante de vidro, de embalagens de bolacha-baunilha: a trinta e cinco cêntimos, o preço da minha infância. A três mesas, quatro anjos: uma mulher não jovem, três gajos de trintas. Cervejas e copos de branco. Estive perto deles até o fim deste parágrafo.

Voltei a passar junto à casa onde nasceu (1864) e morreu (1896) uma das mais amadas vozes do fado de Coimbra: Augusto Hilário. Dada a manhã, branca e lavada como um azulejo, experimentei polir a luz: bafejei-a, passei-lhe um pano mental, brilhou como um cristal. Antes, do lado da sombra, tinha passado rente a um dos mais representativos exemplares da fauna local: um padre. Encoleirado de branco, andava de saco de compras. Passei por ele, temendo pela minha alma.

Segui, lapidar e angelizado, pelo lado do sol até que o xadrez da arquitectura me permitiu novas quadras de sombra-luz. O meu coração pulsava num sossego de paço episcopal em dia de bispo fora. Vi uma rapariga dando a mão à mãe deficiente, que me olhou desse detrás tão remoto da loucura. Em que dimensão existimos, quando somos vistos passando na rua? É tudo em campo santo: hilários datados a prazo entre pedras: as ruas do xadrez calçadas de pequeninos paralelipípedos de bolacha-baunilha numa estante de cristal brilhante como a minha infância a trinta e cinco cêntimos.

Thursday, November 26, 2009

Wednesday, November 25, 2009

Fragmentária Mente - de Manuel Barata


Saiu por estes dias o mais recente título do meu Amigo Manuel Barata. Ele aí está, em capa.

Dicunt Mihi

Pombal, entardenoitecer de 25 de Novembro de 2009



Os rostos tornam-se moedas a troco da chuva,
os cães levam pela cidade a pobreza dos ursos,
a carrinha do circo ladra indigências
e as senhoras de chá chitam a tarde.

Ao longo dos rios despojos de prata
juncam os areais, as sombras, as vésperas.
O homem dos gelados lamenta o Inverno,
dois filhos pequenos, um deles doente.

Fogueiras ciganas fumam orientes,
à varanda o canário risca de amarelo
a cinza da noite que vem já não tarda,
um polícia ronda o parque vazio.

Derradeiras carreiras rumam às aldeias,
aos vales e encostas onde os povos são.
Há gritos no escuro, bandas do hospital,
crianças pintainham carregadas quais soldados.

É bela, a vida.
Dizem que sim.

Oito para Naturistas



Souto e Louriçal, 17 e 18 de Novembro de 2009



1. AVES

Aves suaves brandas em doçura,
caligráficas linhas de cor clara,
rara cada uma e muito cara,
de brando suave rosto na altura.

Gosto de vê-las passar, gosto.
São o vento feito penas esvoaçadas.
Logo que passadas, até aposto
que ao futuro tornam, olvidadas

de quanto o passar custa, se pensado.
Não brando ou suave, tal passar
vale o que vale, ao vento voado.

Mais não digo, que espero tornem.
Ora é de noite, por ora dormem.
Vou passando eu, é noite, acordado.



2. PEDRAS

Jóias pobres.
Ao decote todas, porém, da Senhora Terra.
Cristais de ninguém.
Só as crianças lhes conhecem a
íntima
ínfima
infinita
raridade.

Somo-las todos,
a todas.



3. RIBEIROS

Veias que mercúrio abrem à flor do olhar.
Estreitos e estritos milagres populares.
Vias-vidas que a gente vê passar
e ligar os nenhures a lugares.

Visitados por aves e lavadeiras
e pela meninagem fugaz do fugaz Verão,
todos os ribeiros no fundo afinal são
o mercurial milagre da condição.



4. MULHERES

Sinto-as como emanações do porvir sabido.
Reconhecem tudo: quintais, ervas, ruas, homens
nem tanto.
Entre a garça e a ema, o lúcio e a arara: são.
Entre a rosa e a mansarda, o ribeiro e a pedra: são.
Nunca como os homens deixam de ser.
De estar,
nem tanto.



5.SEXO


Não tem nada que saber.
Nem ensina nada.



6. NUVENS

Dedadas do Invisível Fantasma.
Móveis sobre as casas, suspensas das casas.
Volúveis províncias desertadas a frio.
Maravilhosas no Verão, sonhando-se invernais.
Excepções que confirmam a Regra do Azul.
Sobrenaturais.



7. MÃOS

Aranhas: sem veneno nem teia nem celeiro.
Expostas às moscas.



8. ROSAS

Um tempo houve em que as rosas puderam ser apenas flores, coisas vermelhas do reino vegetal, outras brancas, amarelas, rosas sempre. A poesia porém chegou – para transtorná-las. Passaram, involuntárias, a envelopar desejos consuetudinários, triviais, rosas púbicas, negras portanto, roxas rosas, portanto matrimoniais à flor-senhor-dos-passos. E por aí.
Agora quisera fossem, não mais que rosas, o que as rosas são.
Mas não.

O meu amigo Rui ensinou-me a limpar na perfeiCão o écrã do computer

http://sorisomail.com/email/3281/e-que-tal-limpar-o-ecra-do-vosso-pc-de-vez-em-quando.html

Ute Lemper canta Kurt Weill

Morreste mas tens de cá vir na mesma porque nós somos por assim dizer o Estado


Thursday, November 19, 2009

A Luz Fraterna - de António Osório

Impossível continuar a ignorar a obra absolutamente maior deste discreto gigante da literatura e da língua portuguesas. Este é o mais recente dos seus livros maravilhosos, gigantes, únicos, osórios.

Tuesday, November 17, 2009

Acontecimiento - tradução de Gabriela López Zubiría

Suele suceder que sueño con pájaros que hablan
Y asi comprendo que eran personas después de todo
Pero personas que nunca conocí ni conoceré
Los pájaros son personas de las que no sabemos el nombre

Me pasa que con cierta frecuencia no sueño(en)
Callado en un discreto sitio y miro a los árboles que quedan
El viento los incendia de respiración convocatoria
Yo comprendo y callo más aún y no sueño nunca

Nunca levanto vuelo y nunca respiro, y entonces
Entonces es que sueño con esta persona y aquella
Y después voy a llamarlas por su nombre y ellas vuelan
Nunca me (re)conocen ni me (re)conocerán

aconhetecimento



terça-feira, 17 de Novembro de 2009



acontece-me sonhar com pássaros que falam
ao acordar compreendo que eram pessoas afinal
mas pessoas que nunca conheci nem conhecerei
os pássaros são pessoas de que não sabemos o nome

sucede-me com alguma frequência não sonhar
calo-me num sítio discreto e olho as árvores restantes
o vento incendeia-as de respiração convocatória
eu compreendo e calo-me mais ainda e não sonho

nunca levanto voo e não respiro nunca e então
então é que sonho com esta pessoa e aquela
e depois vou para chamá-las pelo nome e elas voam
nunca me conhecem nem conhecerão.

és / ás


terça-feira, 17 de Novembro de 2009





és ar /serás fumo
és água /serás terra
és pedra /serás areia

Zeca andarilha com Viriato

Vejam bem: http://vejambem.blogspot.com/2009/11/as-voltas-de-um-andarilho-sobre-jose.html

Saturday, November 14, 2009

Um Olhar Uno em Santarém


Rosário Breve nº 130 - www.oribatejo.pt

Telefonema do amigo V. para o amigalhaço S.

Tá? Tou. Oi. Oi. Segunda-feira dá? Dá. Falei co’ gajo dos jornais. Sim? Sim. Tudo tratadinho nos conformes. Que é que tens nas mãos? Luvas. Está frio. Frio porte. Pois. E Angola e coiso? Em princípio. Em princípio sim? Sim. Fixe. Tava aqui a pensar. Diz. Pá, Ovar. Ovar é coiso. Pois é. Vou ver. Tenta quinta-feira. OK. E que tal? Pá, vai-se andando. Sábado vou com ela. Fazes bem. Pois. Isto não pode ser só trabalho, trabalho, trabalho. Conhaque é conhaque. Luva é luva. Pois. Aquilo da TVI e coiso tá resolvido. Aleluia. Palavra do Senhor. Ámen. E o juiz, o coiso? Tá. Sim? Sim. Porreiro, pá. Tinha de ser. Pois tinha. Quanto ao resto? São trocos. Mesmo assim. Pá, calma. Telefonar para a Guarda. Republicana? Não me lixes, pá. Tens algum descartável? Quê, ministros? Pá, telemóvel, pá. Tenho. OK. Depois dou-te o número do meu. Mas primeiro aquilo de segunda-feira. Primeiro segunda-feira, claro. É favas contadas. Como o Benfica agora. Esses gajos andam fortes. Viste quanto é que o Rui Costa tá a tirar por mês? Porra, pá, então não vi. Pois é, também a sabe toda. No Porto é que é uma gaita. Sempre foi. Valentins e tal. Pois. Aquilo do BPN, digo-te uma coisa. Nem me fales. Cenaça. Os dois gajos da última página do Correio da Manhã, pá. Pois. E o Dâmaso e tal. Pá, agora só leio O Ribatejo. Pois, o Moita controla aquilo tudo. Medalha de ouro e tal. Ah campeão! E a Lurditas, pá? É tramado. Não é fácil, pá. Podes crer. Muito invejoso nos profs, cambada de preguiçosos. Os profs é assim, trabalhar e tal, nada. O Nogueira comunista e tal. O Judas também era comunista e olha o que deu. É. Já agora, vê-me aquilo de Espinho e coiso. Tá descansado. Pá, sério. Tá descansado. OK. Pá, fica bem. Tu também. Porreiro, pá. Xau. Xau, beijinhos à jornalista.

Tuesday, November 10, 2009

Tic tic tic tic

O amor é cego.
A memória é o cão do cego.

Thursday, November 05, 2009

Cegonhas do Louriçal - um fado

para o Luís Miranda, amigo e músico
Louriçal, tarde de 3 de Novembro de 2009
Do Louriçal as cegonhas
ai são do céu as noivas brancas
brancas como a flor do sal
do Louriçal as cegonhas
Poisam no claro ar aberto
trazem no bico o destino
certo que é ser incerto
o de cada um em menino
Voam como o tempo voa
mas voltam sempre p'ra casa
voam como o tempo voa
na ponta de cada asa
Riscam de cal o olhar
criam os filhos meninos
estão sempre à flor dos destinos
as cegonhas do Louriçal
Ai são figuras de sonhos
dos sonhos com que tu sonhas
as cegonhas do Louriçal
do Louriçal as cegonhas

Rosário Breve nº 128 - in www.oribatejo.pt

Nunca vi um porco com gripe



A famigerada Gripe-A, vulgo Suína, anda por esse mundo afora muito contentinha a papar imbecis que a temem mui piamente. Pouca gente parece ter percebido que a dita epidemia não existe. Mais: que se trata, de facto e deveras, de uma falcatrua à escala planetária das sinistras farmacêuticas, cujo trabalho é inventar doenças para os medicamentos em armazém. Lembram-se das vacas malucas? Lembram-se das galinhas doidas? Que é feito dessas raparigas? Hum?
Cada vez que me aparece no televisor o senhor doutor Francisco George, aquele senhor Director Nacional da Saúde cuja configuração facial, agravada pelo incompreensível risco ao meio, recupera no meu mesencéfalo o terror dos duendes dos contos de mentir à infância, cada vez que aquele senhor me aparece, assim português suave e definitivamente provisório, eu ralho cá para com o meu fecho-éclair: “Mas q´ais gripes ás, pá, mas q´ais gripes ás, pá!...”
De modos que é assim: somos um país de honestos palermas. Em plena República, apareceu a senhora-de-fátima a voar por cima duma azinheira. Cristo espadeirou na Batalha de Ourique. O padre Fontes organiza todos os anos aquela vigarice de Vilar de Perdizes. O Jardim é dono da Madeira. E até o Sporting de Braga, terra de arcebispos e de calhaus dotados de olhos, já mete medo. Não sei que raio faça à nossa vida, sinceramente e de facto e deveras.
À nossa vida, sim, que a Gripe-A teima em transformar em Vida-B. De Burro.